Porto Alegre, sábado, 14 de março de 2020.
Dia Nacional da Poesia. Dia do Vendedor de Livros.

Jornal do Comércio

Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

CORRIGIR

Mercado Financeiro

21/08/2018 - 19h21min. Alterada em 21/08 às 19h21min

Dólar ante rivais cai por crítica de Trump ao Fed, mas analistas não creem em influência

O dólar viveu uma sessão de fraqueza em relação à maioria das moedas fortes e de emergentes, ainda na esteira da verborragia do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, sobre o seu descontentamento com o aperto monetário do Federal Reserve (Fed, o banco central americano). Além disso, o euro, que se destacou no avanço ante a divisa americana, foi impulsionado pela menor preocupação com a polêmica orçamentária na Itália, após a Moody's ter ampliado o prazo de revisão para um possível rebaixamento do rating Baa2 desse país.
O dólar viveu uma sessão de fraqueza em relação à maioria das moedas fortes e de emergentes, ainda na esteira da verborragia do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, sobre o seu descontentamento com o aperto monetário do Federal Reserve (Fed, o banco central americano). Além disso, o euro, que se destacou no avanço ante a divisa americana, foi impulsionado pela menor preocupação com a polêmica orçamentária na Itália, após a Moody's ter ampliado o prazo de revisão para um possível rebaixamento do rating Baa2 desse país.
Perto do horário de fechamento em Nova Iorque, o euro avançava para US$ 1,1574 e a libra subia para US$ 1,2904, ao passo que o dólar tinha alta para 110,43 ienes.
Sobre as críticas presidenciais à trajetória de aperto monetário do Fed - principal vetor por trás da perda de fôlego do dólar -, a Continuum Economics lembra que a mais recente reunião de política monetária do BC americano, em 1º de agosto, ocorreu pouco após Trump ter ido ao Twitter contra altas de juros.
"Suspeitamos que a ata (que será publicada amanhã, às 15h) mostrará que Trump foi ignorado naquela data e (o presidente do Fed, Jerome) Powell fará o mesmo quando discursar na sexta-feira", escreve David Sloan, da Continuum, dispensando a possibilidade de o Fed alterar o curso das taxas por influência das reclamações emanadas da Casa Branca.
É justamente a leitura contrária por agentes de mercado, de que a verborragia de Trump pode, de alguma forma, desacelerar a trajetória de alta da taxa dos Fed Funds - e, assim, diminuir o vento de cauda soprando a favor do dólar nos últimos meses -, que pressiona a divisa americana desde ontem.