Porto Alegre, sábado, 14 de março de 2020.
Dia Nacional da Poesia. Dia do Vendedor de Livros.

Jornal do Comércio

Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

CORRIGIR

Logística

21/08/2018 - 01h07min. Alterada em 21/08 às 01h00min

TST libera privatização de distribuidoras da Eletrobras

Agência O Globo
O presidente do Tribunal Superior do Trabalho (TST), ministro Brito Pereira, suspendeu ontem a decisão da Justiça do Rio de Janeiro que impedia o leilão das distribuidoras da Eletrobras que operam no Norte e Nordeste. Com isso, o governo poderá realizar o leilão, marcado para o dia 30.
O presidente do Tribunal Superior do Trabalho (TST), ministro Brito Pereira, suspendeu ontem a decisão da Justiça do Rio de Janeiro que impedia o leilão das distribuidoras da Eletrobras que operam no Norte e Nordeste. Com isso, o governo poderá realizar o leilão, marcado para o dia 30.
Na última quinta-feira, o órgão especial do Tribunal Regional do Trabalho do Rio de Janeiro (TRT-RJ) havia suspendido o processo de privatização. O leilão das empresas de Roraima, Acre e Rondônia será no dia 30 de agosto. A venda da distribuidora do Amazonas está marcada para 26 de setembro. O leilão da distribuidora de Alagoas segue suspenso por uma liminar do Supremo Tribunal Federal (STF). E o governo já conseguiu vender a empresa do Piauí.
Na decisão, o presidente do TST afirmou ter ficado demonstrado que, em assembleia geral, os acionistas da empresa optaram pela venda das companhias distribuidoras, em vez da liquidação da empresa, o que, em princípio, representa a manutenção das empresas e dos contratos de trabalho. Para Brito Pereira, a suspensão do processo estava fundamentada na inexistência de estudo sobre eventuais impactos da privatização nos contratos de trabalho, sem que haja norma com essa obrigação.
Ao conceder a liminar, o TRT havia dado 90 dias para a empresa realizar estudos sobre o impacto da privatização nos contratos de trabalho e nos direitos dos empregados. O governo e a Eletrobras tentam privatizar as empresas do Norte e Nordeste desde 2016, mas o processo tem sofrido sucessivos atrasos.