Porto Alegre, sábado, 14 de março de 2020.
Dia Nacional da Poesia. Dia do Vendedor de Livros.

Jornal do Comércio

Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

CORRIGIR

bancos

20/08/2018 - 08h49min. Alterada em 20/08 às 08h49min

Lucro líquido da Caixa no 2º trimestre soma R$ 3,464 bilhões, alta de 33,9% em um ano

De janeiro a junho, o lucro líquido do banco totalizou R$ 6,655 bilhões

De janeiro a junho, o lucro líquido do banco totalizou R$ 6,655 bilhões


CAIXA ECONÔMICA FEDERAL/DIVULGAÇÃO/JC
A Caixa Econômica Federal anunciou na manhã desta segunda-feira (20) lucro líquido de R$ 3,464 bilhões no segundo trimestre, cifra 33,9% superior à vista em um ano, de R$ 2,587 bilhões. Em relação aos três meses imediatamente anteriores, quando o resultado foi de R$ 3,191 bilhões, o crescimento foi de 8,6%.
A Caixa Econômica Federal anunciou na manhã desta segunda-feira (20) lucro líquido de R$ 3,464 bilhões no segundo trimestre, cifra 33,9% superior à vista em um ano, de R$ 2,587 bilhões. Em relação aos três meses imediatamente anteriores, quando o resultado foi de R$ 3,191 bilhões, o crescimento foi de 8,6%.
De janeiro a junho, o lucro líquido da Caixa totalizou R$ 6,655 bilhões, um aumento de 63,3% na comparação com a primeira metade de 2017, quando o banco público apresentou resultado de R$ 4,074 bilhões. Conseguiu, assim, conforme a instituição destaca em relatório que acompanha as suas demonstrações financeiras, o maior resultado já apresentado em um semestre.
"Esse resultado evidencia o êxito das iniciativas adotadas pela empresa em busca de um crescimento orgânico e sustentável, capaz de proporcionar o fortalecimento de sua estrutura de capital, por meio da realização de negócios bancários e sem deixar de cumprir com sua vocação social", acrescenta a Caixa, no documento.
A carteira de crédito do banco no critério amplo totalizou R$ 695,322 bilhões no segundo trimestre, recuo de 0,7% ante o primeiro, quando o saldo ficou em R$ 700,193 bilhões. Em um ano, de R$ 715,886 bilhões, encolheu 2,9%. Este movimento foi influenciado, conforme o banco, pelo segmento de pessoa jurídica, cujos empréstimos se reduziram em 25,7%, na mesma base de comparação. Em contrapartida, a modalidade habitacional, do qual a Caixa é líder com cerca de 70% deste mercado no País, teve expansão de 3,6%.
Apesar de ter reduzido sua carteira de crédito, o banco público destaca que manteve sua participação de mercado acima dos 20% em linha com suas expectativas e com melhora da qualidade de ativos e também do seu indicador de capital, a Basileia.
A Caixa encerrou junho com R$ 1,271 trilhão em ativos totais, cifra estável em relação ao término de março e 0,4% menor em 12 meses. Seu patrimônio líquido totalizou R$ 80,368 bilhões no período, aumento de 3,2% e de 22,0%, respectivamente e na mesma base de comparação.
A rentabilidade da Caixa, medida pelo ROE, na sigla em inglês, foi a 15,36% no segundo trimestre contra 14,79% nos três meses anteriores. Em um ano, a melhora foi ainda maior uma vez que o indicador estava em 9,04%, ou seja, o índice aumentou 6,32 pontos porcentuais.