Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 16 de agosto de 2018.
Dia do Filósofo.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Mercado Financeiro

Alterada em 16/08 às 08h14min

Bolsas europeias sobem com reaproximação de EUA e China, mas Milão é exceção

Estadão Conteúdo
As bolsas europeias operam majoritariamente em alta nesta manhã de quinta-feira (16), favorecidas por notícia de que EUA e China pretendem lançar um nova rodada de negociações comerciais. A exceção é o mercado italiano, que voltou hoje de um feriado fortemente pressionado por ações do setor de transporte rodoviário, na esteira do acidente ocorrido esta semana numa ponte de Gênova que deixou dezenas de mortos.
Segundo Pequim, o vice-ministro chinês de Comércio, Wang Shouwen, irá para Washington ainda este mês, a convite dos EUA, para restabelecer o diálogo comercial entre as duas maiores economias do mundo. A data das conversas não foi especificada.
Nos últimos meses, EUA e China se envolveram numa crescente disputa comercial. Numa tentativa de corrigir o que classifica de desequilíbrios no comércio bilateral, a Casa Branca já impôs tarifas de 25% sobre US$ 34 bilhões em importações chinesas, montante esse que poderá aumentar para US$ 50 bilhões a partir do dia 23. Em reação, Pequim vem retaliando na mesma medida contra bens importados dos EUA.
Com a reaproximação de EUA e China, a crise da Turquia, que recentemente causou forte turbulências nos mercados financeiros globais, ficou em segundo plano. Além disso, a lira turca está hoje em seu terceiro dia consecutivo de recuperação, tendo revertido quase toda a desvalorização que havia acumulado nas duas sessões anteriores.
Na agenda europeia de indicadores, destaque para o setor varejista britânico, que teve desempenho mais forte do que o esperado em julho. No mês passado, as vendas no varejo do Reino Unido subiram 0,7% ante junho e avançaram 3,5% na comparação anual. Analistas consultados pelo The Wall Street Journal previam ganhos menores, de 0,2% e 3%, respectivamente. O resultado deu breve impulso à libra esterlina, que posteriormente devolveu a valorização. Já o superávit na balança comercial da zona do euro caiu levemente em junho, a 16,7 bilhões de euros, de 16,9 bilhões de euros em maio.
Às 8h (de Brasília), a Bolsa de Londres subia 0,65%, enquanto a de Frankfurt avançava 0,47% e a de Paris, 0,62%. O pregão era igualmente positivo em Madri (+0,71%) e Lisboa (+1,27%). A exceção era o mercado em Milão, que caía 1,04%, influenciado por uma acentuada queda em ações de operadoras de rodovias. Na terça-feira (14), o desabamento do trecho de uma ponte da cidade portuária de Gênova, no norte da Itália, causou a morte de pelo menos 39 pessoas. Ontem, a bolsa italiana não operou devido a um feriado nacional.
No mercado de câmbio, o euro subia a US$ 1,1361 no horário indicado acima, mas a libra se enfraquecia levemente, a US$ 1,2693, revertendo os ganhos que exibiu em reação ao indicador do varejo britânico. 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia