Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 16 de agosto de 2018.
Dia do Filósofo.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Agronegócios

Edição impressa de 16/08/2018. Alterada em 16/08 às 01h00min

Receita investiga fraude de R$ 277 milhões na indústria de fumo

Quatorze cidades gaúchas foram alvos de mandados na operação Fumo Papel

Quatorze cidades gaúchas foram alvos de mandados na operação Fumo Papel


RECEITA FEDERAL RS/DIVULGAÇÃO/JC
Uma operação da Receita Federal, com apoio da Procuradoria da Fazenda Nacional e da Brigada Militar do Rio Grande do Sul, foi deflagrada ontem para desarticular um esquema de fraude tributária estimado em R$ 277 milhões. A ação, batizada Operação Fumo Papel, cumpriu 20 mandados de busca e apreensão em empresas atacadistas e exportadoras da indústria do fumo e produtores rurais.
Os mandados de busca e as diligências foram cumpridos nos municípios de Santa Cruz do Sul, Venâncio Aires, Boqueirão do Leão, Sobradinho, Arroio do Tigre, Cerro Grande do Sul, Dom Feliciano, Porto Alegre, Camaquã, Amaral Ferrador, Candelária, Vale do Sol, Agudo e Vera Cruz.
As investigações começaram em 2016, tendo como principais alvos grandes empresas atacadistas e exportadoras do setor do tabaco que se beneficiavam com créditos indevidos de PIS e Cofins, gerados a partir da emissão de notas fiscais de compra de fumo de empresas fantasmas. De acordo com a Receita, duas camadas de empresas foram utilizadas para dissimular a compra de fumo feita diretamente de produtores rurais, o que não geraria direito a crédito. Essas empresas fictícias, existentes apenas no papel, emitiram notas fiscais de vendas no montante de R$ 706 milhões.
A investigação apurou que algumas dessas empresas-fantasma eram também utilizadas na emissão de notas de venda de fumo para abastecer fábricas clandestinas de cigarros, outra fonte de renda para os mentores do esquema fraudulento. No esquema, havia sonegação de contribuições previdenciárias devidas sobre o valor da compra de fumo e superfaturamento do custo dos produtos, gerando prejuízo contábil para evitar o pagamento de Imposto de Renda sobre o lucro.
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia