Porto Alegre, sábado, 14 de março de 2020.
Dia Nacional da Poesia. Dia do Vendedor de Livros.

Jornal do Comércio

Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

CORRIGIR

Mercado Financeiro

15/08/2018 - 08h33min. Alterada em 15/08 às 08h33min

Cobre opera em baixa, diante da cautela com quadro na Turquia e do dólar forte

O cobre opera em baixas consideráveis nesta quarta-feira (15), em meio a várias notícias que provocam cautela com o quadro macroeconômico e também com dúvidas sobre a oferta, o que gera uma onda de vendas de contratos do metal. Além disso, o dólar mais forte contribui para o movimento.
O cobre opera em baixas consideráveis nesta quarta-feira (15), em meio a várias notícias que provocam cautela com o quadro macroeconômico e também com dúvidas sobre a oferta, o que gera uma onda de vendas de contratos do metal. Além disso, o dólar mais forte contribui para o movimento.
Às 8h (de Brasília), o cobre para três meses tinha baixa de 2,6%, a US$ 5.888 a tonelada, na mínima em mais de um ano, na London Metal Exchange (LME), com outros metais industriais também em baixa de 2% ou mais. Às 8h24min, o cobre para setembro caía 2,65%, a US$ 2,6110 a libra-peso, na Comex, divisão de metais da New York Mercantile Exchange (Nymex).
O dólar mais forte torna as commodities, negociadas na moeda, mais caras para os detentores de outras divisas. O movimento no câmbio inclui ainda particularmente uma fuga de moedas de mercados emergentes, em meio à preocupação com a Turquia e os riscos de que os problemas dela se disseminem para outras nações. Além de seus problemas econômicos e financeiros, a Turquia se vê em uma disputa diplomática e tarifária com os EUA. Os americanos mantêm simultaneamente disputa no comércio com a China e outras partes do mundo, como a União Europeia, o que segundo analistas pode prejudicar o crescimento global e, consequentemente, a demanda por cobre.
Investidores ainda acompanham as negociações trabalhistas na mina Escondida, no Chile, a maior do mundo. As mais recentes sinalizações, porém, eram de que um acordo poderia estar perto, o que evitaria uma greve similar à do ano passado, que apoiou o metal na ocasião. Um acordo rápido, neste ano, pode significar pressão de baixa para os preços.
Entre outros metais básicos negociados na LME, o zinco caía 3,61%, a US$ 2.362 a tonelada, o alumínio cedia 2,15%, a US$ 2.025 a tonelada, o estanho tinha baixa de 1,75%, a US$ 18.755 a tonelada, o níquel recuava 2,23%, a US$ 13.125 a tonelada, e o chumbo caía 2,77%, a US$ 2.018,50 a tonelada.