Porto Alegre, sábado, 14 de março de 2020.
Dia Nacional da Poesia. Dia do Vendedor de Livros.

Jornal do Comércio

Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

CORRIGIR

Gestão

13/08/2018 - 22h15min. Alterada em 14/08 às 08h14min

Confiança e colaboração são desafios das empresas

Para Randon, não se melhora o Estado sem pensar a longo prazo

Para Randon, não se melhora o Estado sem pensar a longo prazo


/MARCELO G. RIBEIRO/JC
Adriana Lampert
Voltadas a um cenário de mudanças exponenciais e disruptivas que surgem no mercado - com o advento das startups e de novos modelos de pensamento - as palestras do 19º Congresso Internacional da Gestão do Programa Gaúcho de Qualidade e Produtividade (PGQP) tiveram como tema central a "transformação" das empresas.
Voltadas a um cenário de mudanças exponenciais e disruptivas que surgem no mercado - com o advento das startups e de novos modelos de pensamento - as palestras do 19º Congresso Internacional da Gestão do Programa Gaúcho de Qualidade e Produtividade (PGQP) tiveram como tema central a "transformação" das empresas.
Segundo o presidente do Conselho Diretor do PGQP, Daniel Randon, não há, inclusive, como "melhorar o Estado", sem pensar em projetos a longo prazo, onde todos se beneficiem, através de organizações concorrentes se unindo para inovação. "Quando se fala de transformar o Rio Grande do Sul, são estas parcerias que devemos começar a pensar: porque ou olhamos as organizações como parceiras, ou não iremos para a frente."
Randon disse que, apesar da transformação digital ser importante, a visão de negócios é fundamental para os líderes de empresas. Um desafio, para ele, é mudar o pensamento das lideranças das organizações. "Também é preciso que se tenha impacto social na atuação das empresas", destacou. Ele frisou ainda que um dos pontos principais que deve ser observado para a transformação das empresas passa pela reputação junto aos stakeholders. "Antigamente as empresas quebravam pela questão do caixa, hoje é a (má) reputação que quebra uma organização", justificou. Para superar estes e outros desafios, Randon apontou conceitos que devem ser aplicados em empresas de qualquer porte, a exemplo da busca de excelência através de disrupturas e inovação; e de articulação de soluções, através de conexão e colaboração entre organizações.
"Todas as empresas têm problema de qualidade, e muito mais do que processo nós precisamos trabalhar a atitude das pessoas, principalmente das lideranças", completou o presidente da John Deere Brasil, Paulo Herrmann, durante sua palestra. "Se não tivermos atitude de qualidade - fazendo tudo de forma correta e com responsabilidade de fazer as correções - não será o 'processo' que vai resolver."
Herrmann afirmou que trabalhar de maneira disciplinada é uma forma de gerar confiança - e lamentou que no Brasil exista a necessidade de "uma série de agências reguladoras para estruturar processos e fiscalizá-los". Para ele, a transformação não passa apenas pela modernização das empresas, mas também por atitudes confiáveis, como responsabilidade social e ambiental, e até mesmo a maneira de tratar os clientes. "Não existe empresa sem problemas, mas a diferença está na atitude. A qualidade custa caro, mas é recompensada pelo retorno dos clientes."
O presidente da John Deere Brasil destacou ainda que por mais bem-sucedido que tenha sido um produto no passado, se a empresa não acompanhar a necessidade dos clientes estará praticamente fora do mercado. "O conforto do sucesso é uma cilada - algumas empresas atingem um nível de maturidade, e depois têm dificuldade de arredar o pé dali. Mas é preciso que os gestores tenham cabeça aberta para fazer transformações."

Prêmio Qualidade RS distingue 32 organizações gaúchas

Cerimônia de premiação aconteceu ontem à noite no Teatro do Sesi, na sede da Fiergs, em Porto Alegre
Cerimônia de premiação aconteceu ontem à noite no Teatro do Sesi, na sede da Fiergs, em Porto Alegre
/RODRIGO ZIEBELL/DIVULGAÇÃO/JC
O 23º Prêmio Qualidade RS, promovido pelo Programa Gaúcho da Qualidade e Produtividade (PGQP), foi entregue na noite de ontem no Teatro do Sesi, na Fiergs, em Porto Alegre. A grande festa aconteceu após o 19º Congresso Internacional da Gestão.
 
Foram distinguidas 32 organizações na homenagem, que é referência internacional por sua capacidade de mobilização e disseminação das práticas de gestão.
 
A vencedora do Prêmio Qualidade RS na categoria Troféu Diamante foi o Senac-RS, reconhecida pela segunda vez consecutiva. Receberam o Troféu Ouro sete empresas; Troféu Prata 10 organizações; 11, o Troféu Bronze; e a Medalha de Bronze, três. Foram premiadas, pela primeira vez, sete organizações.
 
O Prêmio Qualidade RS, criado em 1996 pelo PGQP, proporciona às vencedoras visibilidade nacional quanto a seu sistema de gestão alinhado aos princípios da qualidade e da competitividade, incentivo à força de trabalho e maior autoestima dos colaboradores, além do reconhecimento da comunidade e dos parceiros de mercado com informações sobre práticas bem-sucedidas, preconizadas nos conceitos internacionais do Modelo de Excelência da Gestão (MEG). O prêmio promove a avaliação da gestão das organizações em oito fundamentos: pensamento sistêmico, compromisso com as partes interessadas, aprendizado organizacional e inovação, adaptabilidade, liderança transformadora, desenvolvimento sustentável, orientação por processos e geração de valor.
 
O secretário executivo do PGQP, Luiz Pierry, contextualiza a importância do esforço e da atuação das empresas vencedoras, que trabalharam forte sua gestão e desenvolveram-se com práticas inovadoras e sustentáveis. "O orgulho em premiar organizações que aprimoraram e elevaram o nível de trabalho baseadas em conceitos e princípios de qualidade, gestão e inovação, é gratificante. Estas 32 empresas representam um exemplo para a sociedade gaúcha e brasileira de que há esperança na construção de um futuro melhor, mediante muito trabalho e envolvimento de todos. Sempre almejando um viés de futuro sustentável", afirmou.

Lista das vencedoras

Troféu Diamante
  • Senac Administração Regional do Rio Grande do Sul - Porto Alegre
Troféu Ouro
  • Escritório Benincá S/S Ltda. - Erechim
  • Fecomércio-RS - Porto Alegre
  • Senac 24 Horas - Porto Alegre
  • Senac Informática - Porto Alegre
  • Senac Passo Fundo
  • Senac Santa Rosa
  • Sesc Carazinho
Troféu Prata
  • Ceitec S.A. - Porto Alegre
  • Centro de Intendência da Marinha - Rio Grande
  • Irani - Porto Alegre
  • Pharmacontrol Laboratório de Controle de Qualidade - Porto Alegre
  • Senac Farroupilha
  • Sesc Bagé
  • Sesc Frederico Westphalen
  • Sesc Novo Hamburgo
  • Sesc Santa Cruz do Sul
  • Sesc Venâncio Aires
Troféu Bronze
  • Atrhol - Horizontina;
  • IMS Power Quality - Porto Alegre;
  • Indústria de Móveis Finger Ltda. - Sarandi
  • Innovare Consultoria - Cachoeirinha;
  • SAFT Embalagens - Parobé;
  • Senac Centro Histórico - Porto Alegre;
  • Senac Santa Maria
  • Sesc Alegrete
  • Sesc São Borja
  • Sesc São Luiz Gonzaga
  • Soprano Eletrometalúrgica e Hidraúlica Ltda. - Farroupilha
Medalha Bronze
  • CDL - Novo Hamburgo
  • Conexo Assessoria em Comércio Exterior Ltda. - Novo Hamburgo
  • Hotel Curi Executive - Pelotas
Fonte: PGQP