Porto Alegre, sábado, 14 de março de 2020.
Dia Nacional da Poesia. Dia do Vendedor de Livros.

Jornal do Comércio

Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

CORRIGIR

Mercado Financeiro

10/08/2018 - 16h08min. Alterada em 10/08 às 16h08min

Ouro oscila e fecha com leve recuo em meio ao fortalecimento do dólar

O contrato futuro do ouro fechou em leve queda a sessão desta sexta-feira (10), após ter oscilado e avançado durante parte do dia, mais uma vez pressionado pela alta do dólar, em meio à divulgação da inflação nos Estados Unidos e à cautela com tensões na Turquia. Na Comex, divisão de metais da New York Mercantile Exchange (Nymex), o ouro para entrega em outubro fechou em queda de 0,07%, para US$ 1.214,20 por onça-troy.
O contrato futuro do ouro fechou em leve queda a sessão desta sexta-feira (10), após ter oscilado e avançado durante parte do dia, mais uma vez pressionado pela alta do dólar, em meio à divulgação da inflação nos Estados Unidos e à cautela com tensões na Turquia. Na Comex, divisão de metais da New York Mercantile Exchange (Nymex), o ouro para entrega em outubro fechou em queda de 0,07%, para US$ 1.214,20 por onça-troy.
O índice de preços ao consumidor (CPI, na sigla em inglês), indicador que mede a inflação dos Estados Unidos, avançou 2,9% em julho, na comparação anual, abaixo da previsão de 3,0% de analistas. No entanto, o núcleo do indicador superou a projeção de 2,3% ao subir 2,4% e alcançar o nível mais alto desde setembro de 2008, dando aval para que o Federal Reserve (Fed, o banco central americano) avance com o plano de aperto monetário.
Além do fortalecimento da divisa americana, os agentes se atentaram às tensões financeiras na Turquia, depois que o presidente Recep Tayyip Erdogan pediu que a população troque dólares, euros e ouro que tiverem por liras. O líder negou ainda que um haverá aumento de juros pelo banco central no país, o que levou a preocupações a respeito da independência da autoridade monetária. Em seguida, o presidente Donald Trump afirmou em seu Twitter que irá dobrar as tarifas sobre o aço e o alumínio turcos. Isso levou o dólar a renovar máximas históricas seguidas contra a moeda turca.
Mais cedo, o Banco Central Europeu (BCE) havia demonstrado preocupação com a exposição de bancos europeus à Turquia, especialmente em relação ao câmbio, já que algumas das principais instituições financeiras do país detém participação em bancos do país euro-asiático e negócios com empresas locais.
As incertezas globais sobre os impactos dos desdobramentos na Turquia levaram o ouro, considerado um ativo de segurança, a avançar durante boa parte do dia. No entanto, perto do encerramento da sessão, a valorização do dólar ante outras moedas fortes falou mais alto e pressionou o metal precioso, à medida que o dólar forte torna o ouro mais caro para detentores de outras divisas.