Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 09 de agosto de 2018.
Dia Internacional dos Povos Indígenas.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Bancos

Alterada em 09/08 às 10h43min

Lucro líquido do Banco Votorantim soma R$ 256 milhões no 2º trimestre

O Banco Votorantim apresentou lucro líquido de R$ 256 milhões no segundo trimestre, cifra 76,55% superior à de um ano antes, de R$ 145 milhões. No comparativo trimestral, quando ficou em R$ 255 milhões, teve leve alta de 0,7%.
No primeiro semestre, o lucro líquido do Votorantim cresceu 87,5% em relação ao mesmo período de 2017, atingindo R$ 511 milhões. "Comemoramos o resultado positivo do primeiro semestre, confirmando ROE de dois dígitos em virtude do avanço bem-sucedido do nosso plano estratégico, baseado na rentabilização dos negócios, diversificação das receitas e aumento da eficiência operacional", destaca o presidente do Banco Votorantim, Elcio Jorge dos Santos, em nota à imprensa.
A carteira de crédito ampliada do Votorantim somou R$ 59,197 bilhões no segundo trimestre, aumento de 1,5% ante o terceiro. Em um ano, porém, o saldo de empréstimos apresentou leve queda de 0,3%.
O índice de inadimplência consolidado do banco caiu para 4,0% em junho de 2018, 0,4 ponto porcentual (p.p.) abaixo do mesmo mês de 2017. Ante março, porém, teve aumento de 0,1 p.p. As despesas com Provisão para Devedores Duvidosos (PDD) e impairments do Votorantim se reduziram 25,8% na comparação do primeiro semestre de 2018 com igual período de 2017, reflexo da menor inadimplência, tanto nos segmentos de Atacado quanto de Varejo.
Em junho de 2018, o Índice de Basileia do Votorantim, que mede quanto um banco pode emprestar sem comprometer o seu capital, foi de 16,0% ao final de junho, acima do mínimo regulatório de 10,5%. Do total, 12,8% foi referente ao Capital Nível I, que consiste no somatório do Capital Principal (10,8%) e Capital Complementar (1,9%).
O Votorantim fechou junho com R$ 98,154 bilhões em ativos totais, aumento de 4,0% ante março. Em um ano, foi vista retração de 4,2%.
Já o patrimônio líquido do banco somou R$ 9,349 bilhões no segundo trimestre, aumento de 3,0% em relação ao segundo e de 9,9% em 12 meses. O retorno sobre o patrimônio líquido médio (ROAE) do Votorantim foi a 11,6% ao final de junho contra 11,8% em março e 7,1% um ano antes.
O presidente do Votorantim afirma ainda que o banco segue fortalecendo sua capacidade analítica e infraestrutura tecnológica, "o que permite à instituição ser mais ágil e eficiente na gestão dos negócios". No primeiro semestre, o Votorantim apresentou o reposicionamento da sua marca de varejo BV.
Segundo o banco, a diversificação de negócios é um dos principais pilares do seu plano estratégico. No primeiro semestre, o banco firmou parceria comercial com a Neon Pagamentos após o antigo parceiro ter liquidação decretada pelo Banco Central. Assim, o Votorantim assumiu os serviços de custódia e movimentação das contas de pagamentos dos clientes da Neon.
"Após o restabelecimento dos serviços da Neon Pagamentos, avançamos na definição de uma agenda de inovação que nos permitirá capturar sinergias e oferecer soluções do Banco Votorantim na plataforma da Neon", acrescenta Santos.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia