Porto Alegre, sábado, 14 de março de 2020.
Dia Nacional da Poesia. Dia do Vendedor de Livros.

Jornal do Comércio

Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

CORRIGIR

mercado financeiro

06/08/2018 - 16h29min. Alterada em 06/08 às 16h29min

Petróleo sobe com retorno de sanções dos EUA ao Irã e queda na produção saudita

Os contratos futuros de petróleo fecharam com ganhos nesta segunda-feira, após os Estados Unidos anunciarem a retomada de sanções ao Irã e em meio ao recuo da produção na Arábia Saudita.
Os contratos futuros de petróleo fecharam com ganhos nesta segunda-feira, após os Estados Unidos anunciarem a retomada de sanções ao Irã e em meio ao recuo da produção na Arábia Saudita.
Na Intercontinental Exchange (ICE), em Londres, o barril do Brent para outubro avançou para US$ 73,75 (+0,73%). Já na bolsa mercantil de Nova York (Nymex), o barril do WTI para setembro subiu 0,75%, para US$ 69,01.
Em comunicado da Casa Branca nesta segunda-feira, os EUA afirmaram que o Irã é uma "ditadura", que "patrocina o terrorismo" e comete "agressões continuadas no Oriente Médio e em todo o mundo". Com isso, Washington restaurou as sanções ao país persa, as quais haviam sido retiradas após o acordo nuclear internacional firmado com o Irã em 2015. A expectativa é a de que a medida prejudique as exportações de petróleo iraniano.
Em resposta, o presidente do Irã, Hassan Rouhani, sugeriu nesta segunda que pode fechar o Estreito de Hormuz, por onde passa um terço da produção de petróleo mundial, e que confia em China e Rússia para ajudar o setor petrolífero do país persa.
Ao mesmo tempo, relatos de que a produção de óleo da Arábia Saudita recuou de 10,49 milhões de barris por dia em junho para 10,3 milhões de barris por dia em julho, segundo delegados da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep), o que também impulsionou os preços da commodity.
Segundo analistas do Commerzbank, investidores esperam que "a enorme queda nas exportações iranianas de petróleo diminua a oferta e aumente os preços", ao passo que a queda na produção saudita "também deve ter dado apoio" para a alta dos contratos de petróleo.