Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 06 de agosto de 2018.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

mercado financeiro

Alterada em 06/08 às 14h12min

Bolsas da Europa fecham sem direção única, de olho em comércio global e Brexit

Os mercados acionários da Europa fecharam sem direção definida a sessão desta segunda-feira, com a maioria das bolsas pressionada em meio ao cenário de instabilidade com a disputa comercial entre Estados Unidos e China e incertezas sobre o Brexit.
Os investidores continuam a monitorar a escalada das tensões comerciais entre Washington e Pequim. No fim de semana, o presidente americano, Donald Trump, elogiou o uso de tarifas em sua política comercial e disse que elas irão "pagar as dívidas" deixadas pelo governo de Barack Obama. Enquanto isso, nesta segunda-feira, um editorial do jornal estatal da China, o Global Times, apontou que o governo do país asiático está pronto para, se for preciso, enfrentar uma longa guerra comercial com os EUA.
Na Alemanha, o cenário instável foi influenciado também pelos resultados ruins da atividade. As encomendas à indústria do país, segundo o Ministério da Economia alemão, registraram queda de 4% de maio para junho, bem mais acentuada do que a expectativa de recuo de 0,5% de analistas. O número representa o maior declínio do setor industrial em 18 meses. O índice DAX, da bolsa de Frankfurt, fechou em queda de 0,14%, aos 12.598,21 pontos, depois de ter atingido a maior baixa entre os mercados europeus na manhã desta segunda.
Ainda em solo germânico, o destaque é para a ação da Linde, que fechou em queda de 1,56%, depois que a companhia de gás industrial informou que reguladores podem exigir mais vendas de ativos do que o esperado em troca de aprovação antitruste para a fusão planejada com a Praxair.
As preocupações com comércio internacional e incertezas políticas pressionaram a maioria das bolsas europeias. Em Paris, o índice CAC 40 recuou 0,03%, aos 5.477,18 pontos, da mesma forma que o FTSE MIB, de Milão, aos 21.580,18 pontos. Já nos ibéricos, o índice Ibex 35, de Madri, caiu 0,18%, enquanto o PSI 20 de Lisboa avançou 0,31%, aos 5.611,54 pontos.
Já em Londres, o índice FTSE 100 terminou o dia em alta de 0,06%, aos 7.663,78 pontos, ajudado pela libra desvalorizada ante o dólar. A divisa britânica opera nas mínimas em 11 meses ante o dólar nesta segunda-feira, em meio a preocupações com o Brexit. O secretário de Comércio Internacional britânico, Liam Fox, afirmou ao Sunday Times que havia 60% de chance de não haver acordo entre as partes. Na sexta-feira, o presidente do Banco da Inglaterra (BoE), Mark Carney, afirmou que o risco de não haver acordo era "desconfortavelmente alto".
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia