Porto Alegre, sábado, 14 de março de 2020.
Dia Nacional da Poesia. Dia do Vendedor de Livros.

Jornal do Comércio

Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

CORRIGIR

Reestruturação do Estado

31/07/2018 - 20h41min. Alterada em 31/07 às 20h49min

Economistas questionam cálculo da Fipe: 'indicador não pode ser considerado PIB'

O Sindicato dos Economistas do Rio Grande do Sul divulgou nesta terça-feira (31) uma avaliação técnica do Produto Interno Bruto (PIB) do Rio Grande do Sul, produzido pela Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe) - empresa contratada pelo Governo do Estado para assumir o cálculo após a extinção da Fundação de Economia e Estatística (FEE).
O Sindicato dos Economistas do Rio Grande do Sul divulgou nesta terça-feira (31) uma avaliação técnica do Produto Interno Bruto (PIB) do Rio Grande do Sul, produzido pela Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe) - empresa contratada pelo Governo do Estado para assumir o cálculo após a extinção da Fundação de Economia e Estatística (FEE).
O documento, que é assinado por professores de Economia da Ufrgs, Pucrs e Unisinos, questiona o cálculo utilizado pela Fipe em razão da utilização de dados distintos dos utilizados pelo IBGE. Os professores alertam ainda para o uso de "uma metodologia de estimativa do PIB em base fixa, metodologia esta que foi descontinuada no Brasil desde 1996". Para os profissionais, "o indicador contratado pelo Governo do Estado junto à sua terceirizada não se constitui, do ponto de vista metodológico e técnico, em estimativa do PIB estadual, ainda que, indevidamente, receba essa denominação". 
Os professores encerram o texto fazendo um apelo para "a sociedade gaúcha reivindicar que seus governantes cumpram seu papel no sentido de fornecer estatísticas públicas consistentes, que efetivamente expressem as peculiaridades da economia do Estado e possibilitem o monitoramento de sua dinâmica”.
Conforme o Sindicato dos Economistas, o documento foi entregue em audiência ao conselheiro Estilac Xavier - relator no Tribunal de Contas do Estado (TCE-RS) da Representação do Ministério Público de Contas (MPC) que versa sobre possíveis irregularidades na contratação da Fundação.
Um dos economistas que assina a avaliação técnica, o professor da Ufrgs Carlos Henrique Horn, já havia questionado publicamente, em entrevista concedida ao JC em junho, os dados apresentados pela Fipe.
Até o fechamento desta matéria, o governo do Estado não havia se pronunciado sobre o assunto.