Porto Alegre, sábado, 14 de março de 2020.
Dia Nacional da Poesia. Dia do Vendedor de Livros.

Jornal do Comércio

Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

CORRIGIR

investigação

31/07/2018 - 12h06min. Alterada em 31/07 às 16h15min

Operação da Polícia Federal investiga fraude no seguro defeso em Caxias do Sul

Prejuízo aos cofres públicos supera os R$ 69 milhões

Prejuízo aos cofres públicos supera os R$ 69 milhões


Polícia Federa/Divulgação/JC
Caxias do Sul, na Serra gaúcha, foi alvo nesta terça-feira (31) de ação da Polícia Federal contra uma organização criminosa especializada na concessão irregular de seguro defeso. A ação, batizada João XXI, cumpriu 25 mandados de busca e apreensão e 18 de prisão preventiva também em Belém (PA), Macapá, Santana, Laranjal do Jari e Almeirim (AP). O prejuízo apurado pela fraude supera R$ 69 milhões.
Caxias do Sul, na Serra gaúcha, foi alvo nesta terça-feira (31) de ação da Polícia Federal contra uma organização criminosa especializada na concessão irregular de seguro defeso. A ação, batizada João XXI, cumpriu 25 mandados de busca e apreensão e 18 de prisão preventiva também em Belém (PA), Macapá, Santana, Laranjal do Jari e Almeirim (AP). O prejuízo apurado pela fraude supera R$ 69 milhões.
Dentre os presos, de acordo com a PF, nove são servidores públicos do Ministério do Trabalho (MTb) e do Sistema Nacional de Emprego (SINE). Eles vão responder pelos crimes de peculato, inserção de dados falsos em sistema de informações, organização criminosa e lavagem de dinheiro, cujas penas podem superar 40 anos de prisão.
A operação é um desdobramento da Operação Timoneiro, deflagrada em abril deste ano. Na ocasião, um servidor do MTb que atuava em Caxias do Sul foi preso, foi responsável pela concessão fraudulenta de 6.988 benefícios.
A investigação foi conduzida pela Delegacia de Polícia Federal de Caxias do Sul, e contou com apoio do Ministério Público Federal de Caxias do Sul (RS), da Coordenação-Geral de Inteligência Previdenciária (COINP) do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) e da Assessoria de Pesquisa Estratégica da Secretaria Executiva do Ministério do Trabalho (APE/SE/MTb). Os mandados foram expedidos pela Justiça Federal de Caxias do Sul.