Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 24 de julho de 2018.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Mercado de Capitais

Edição impressa de 24/07/2018. Alterada em 24/07 às 01h00min

Fundo suspenso gerava lucro só com entrada de novos investidores

O Fundo de Investimento Imobiliário (FII) Mérito I, que teve a negociação de suas cotas suspensas pela Comissão de Valores Mobiliários (CVM) na semana passada por ter característica de pirâmide financeira, nunca gerou caixa decorrente de suas atividades operacionais no setor imobiliário. Na verdade, vinha realizando diversas atividades irregulares para justificar um retorno médio de 1,1% ao mês.
Lançado pela Mérito Desenvolvimento Imobiliário e administrado pela Planner Corretora de Valores, o lucro do investimento, segundo a CVM, provinha da captação de novos cotistas e da cobrança de taxas de ingresso crescentes (atualmente em 20%), muito superiores às praticadas no mercado. Ainda segundo o órgão responsável pela regulação no mercado de capitais, nenhum dos investimentos realizados pelo fundo está operacional, ou seja, gerando retorno financeiro neste momento.
A informação consta do relatório da Superintendência de Relações com Investidores Institucionais (SIN) que serviu de base para a decisão unânime dos diretores da CVM. O documento foi publicado no site da autarquia na noite de sexta-feira, 20, e volta a apontar características de pirâmide financeira do fundo.
No dia 18 de julho, a CVM suspendeu a negociação de cotas do Fundo de Investimento Imobiliários (FII) Mérito Desenvolvimento Imobiliário, administrado pela Planner Corretora de Valores. O órgão identificou atuação irregular do fundo, com características de pirâmide financeira e indícios de fraude.
O fundo existe há quase cinco anos, no entanto ele saltou, em menos de dois anos, de cerca de 300 cotistas para mais de 8 mil, a maior parte investidores individuais. Em fóruns na internet, podem ser observados comentários desde fevereiro de investidores desconfiados de que se tratava de pirâmide.
De acordo com as apurações da CVM, a administradora Planner Corretora de Valores e a gestora Mérito Investimentos vinham realizando diversas atividades irregulares para justificar os retornos do investimento. Há indícios de operações simuladas de trocas de ativos e de contabilização dos investimentos realizados acima do valor justo. Ambas as práticas têm características de fraude contábil, segundo a CVM. Além disso, o Mérito I FII vinha realizando investimentos em Sociedade de Contas de Participação (SCP). As SCPs são veículos de investimento semelhantes às Sociedades de Propósito Específico (SPE), mas com um grau de transparência bem menor.
 

BOX

O que são os FII ?
Os fundos imobiliários (FII) são investimentos de renda variável e negociados como ações, mas, em vez de empresas, o aporte é em imóveis. Dentro do fundo, cada investidor tem uma cota correspondente ao montante aplicado, que rende um valor todo mês, daí a semelhança com a renda fixa. Ao dividir o preço da cota pelo valor patrimonial do fundo, é possível se ter uma ideia de quanto as pessoas estão dispostas a investir.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia