Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 24 de julho de 2018.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Conjuntura

Edição impressa de 24/07/2018. Alterada em 24/07 às 01h00min

FMI reduz para 1,8% previsão de crescimento do Brasil neste ano

Atribuindo a decisão à paralisação dos caminhoneiros e à piora das condições econômicas globais, o FMI (Fundo Monetário Internacional) revisou ontem a previsão de crescimento do Brasil em 2018. A estimativa, agora, é que o País cresça 1,8% neste ano - antes, esse número era de 2,3%. Para 2019, o fundo manteve a previsão de 2,5% de alta.
O diretor do FMI para as Américas, Alejandro Werner, ponderou que a recuperação econômica na América Latina tem sido mais difícil para alguns países. "Pressões do mercado em nível global foram amplificadas por vulnerabilidades específicas", afirmou, citando as tensões no comércio internacional após a introdução de tarifas pelos EUA e condições financeiras mais restritivas.
No Brasil, além da paralisação dos caminhoneiros, também pesa a incerteza das eleições presidenciais - cujo resultado ainda pode alterar as expectativas de crescimento para baixo.
O Fundo voltou a destacar a necessidade de uma reforma da Previdência no País, considerada "uma medida fundamental" rumo ao equilíbrio fiscal. Mas Werner afirmou que o Brasil deve manter seu ritmo de crescimento moderado, puxado pelo consumo e pelo investimento privados.
Na última semana, a equipe econômica do governo Temer confirmou que a projeção para o PIB foi revisada de uma alta de 2,5% para 1,6% neste ano, por causa da paralisação dos caminhoneiros. A deterioração de expectativas também fez o Ministério da Fazenda cortar a previsão para a expansão da atividade em 2019 de 3,3% para 2,5%.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia