Porto Alegre, sábado, 14 de março de 2020.
Dia Nacional da Poesia. Dia do Vendedor de Livros.

Jornal do Comércio

Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

CORRIGIR

Comércio exterior

23/07/2018 - 16h20min. Alterada em 23/07 às 16h20min

Balança tem superávit de US$ 1,516 bilhão na 3ª semana de julho

Valor foi alcançado com exportações de US$ 6,780 bilhões e importações de US$ 5,264 bilhões

Valor foi alcançado com exportações de US$ 6,780 bilhões e importações de US$ 5,264 bilhões


JOHANNES EISELE/AFP/JC
A balança comercial brasileira registrou superávit comercial de US$ 1,516 bilhão na terceira semana de julho (de 16 a 22). De acordo com dados divulgados nesta segunda-feira (23), pelo Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços (MDIC), o valor foi alcançado com exportações de US$ 6,780 bilhões e importações de US$ 5,264 bilhões.
A balança comercial brasileira registrou superávit comercial de US$ 1,516 bilhão na terceira semana de julho (de 16 a 22). De acordo com dados divulgados nesta segunda-feira (23), pelo Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços (MDIC), o valor foi alcançado com exportações de US$ 6,780 bilhões e importações de US$ 5,264 bilhões.
O mês de julho acumula superávit de US$ 3,967 bilhões até dia 22, abaixo 36,9% do registrado em todo o mês de julho de 2017, quando o resultado foi positivo em US$ 6,285 bilhões. No ano, o superávit comercial acumulado é de US$ 33,900 bilhões, queda de 16% em relação ao mesmo período de 2017. A estimativa do governo para este ano é que a balança encerre o ano com superávit acima de US$ 50 bilhões.
Em julho, houve alta de apenas 20,3% na média diária das exportações na comparação com o mesmo mês do ano passado, com aumento nas vendas de produtos básicos (+57,9%). Houve queda, porém, nas exportações de produtos manufaturados (-6,6%) e semimanufaturados (-13,1%).
Já as importações registraram alta superior, de 36,5% na mesma comparação, com crescimento nos gastos, principalmente, com veículos automóveis e partes (+40,3%), farmacêuticos (+37,4%), químicos orgânicos e inorgânicos (+29,5%), combustíveis e lubrificantes (+19,9%) e equipamentos mecânicos (+12,5%).