Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sábado, 21 de julho de 2018.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Relações internacionais

Alterada em 21/07 às 18h05min

Mnuchin, dos EUA, não minimiza chance de tarifa sobre todas importações chinesas

O secretário do Tesouro dos EUA, Steven Mnuchin, disse neste sábado (21) que "não minimizaria" a possibilidade do país aplicar tarifas sobre todos os bens importados da China, que atualmente totalizam cerca de US$ 500 bilhões, ampliando a ameaça do presidente americano, Donald Trump.
Mnuchin, que falou antes de uma reunião entre os ministros de finanças do G-20 e os banqueiros centrais daqui, não forneceu mais detalhes sobre o assunto. Nessa sexta-feira (20), em entrevista à CNBC, Trump afirmou estar disposto a impor tarifa sobre todas as importações da China, caso não ocorram mudanças na relação comercial. "Estamos prontos a ir até 500", disse Trump, referindo-se ao déficit comercial americano com os chineses todo o ano passado, de US$ 500 bilhões.
No início deste mês, os EUA impuseram tarifas no valor de US$ 34 bilhões sobre produtos chineses no setor de maquinário, componentes e eletrônicos. Também estão programadas tarifas sobre US$ 16 bilhões de eletrônicos chineses e outros componentes.
Os EUA estudam ainda mais US$ 200 bilhões em mercadorias chinesas que os EUA podem selecionar para tarifar, num total de US$ 250 bilhões. Qualquer coisa além disso, disse Trump, depende da medida em que a China retaliar. 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia