Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 20 de julho de 2018.
Dia do Amigo.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Saúde

20/07/2018 - 11h24min. Alterada em 20/07 às 11h31min

ANS está segura da cobrança de 40% em coparticipação, diz diretor

Cármen Lúcia suspendeu liminarmente regra que fixa em até 40% o pagamento de exames e consultas

Cármen Lúcia suspendeu liminarmente regra que fixa em até 40% o pagamento de exames e consultas


LUIZ SILVEIRA/AGÊNCIA CNJ/FOTOS PÚBLICAS/DIVULGAÇÃO/JC
Agência Brasil
Apesar da recente decisão da presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministra Cármen Lúcia, de suspender liminarmente a regra que fixa em até 40% o pagamento de exames e consultas em planos de saúde de coparticipação, o diretor de Desenvolvimento Setorial da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS), Rodrigo Aguiar, continuou a defender a manutenção do índice.
"Não há razões técnicas que justifiquem a alteração do índice. A ANS está segura quanto à adequação do percentual definido", disse. Aguiar disse que a competência da agência para editar a Resolução Normativa nº 433, que trata do assunto, foi balizada pela Advocacia-Geral da União (AGU), que analisou previamente a proposta.
O diretor comentou ainda sobre recente polêmica envolvendo o papel da ANS: a função de agências reguladoras, segundo ele, é promover o equilíbrio do setor, sem atuar em prol de um único público. O diretor da ANS classificou ainda como "totalmente equivocada" a afirmação de que houve "expansão de maneira irresponsável" dos limites de coparticipação.
Segundo ele, tais mecanismos existem há mais de 20 anos sem qualquer limite imposto às operadoras. "Hoje, são aplicados percentuais de 50%, 60%, 70%. A norma determinou um teto de 40%". Ele também negou que a ANS tenha, nos últimos anos, recomendado que esse índice ficasse em 30%. Apesar de continuar defendendo o teto de 40%, Rodrigo Aguiar reconheceu que "se o Judiciário e Legislativo (...) proferirem decisão determinando a alteração de tal percentual, a ANS o fará prontamente".
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia