Porto Alegre, sábado, 14 de março de 2020.
Dia Nacional da Poesia. Dia do Vendedor de Livros.

Jornal do Comércio

Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

CORRIGIR

Varejo

19/07/2018 - 12h14min. Alterada em 19/07 às 14h01min

Lojistas protestam contra o fechamento do Hipo Fábricas

Centro comercial funciona há mais de duas décadas no centro de Porto Alegre e tem 38 lojas ocupadas

Centro comercial funciona há mais de duas décadas no centro de Porto Alegre e tem 38 lojas ocupadas


MARCELO G. RIBEIRO/JC
Paulo Egídio
Como anunciado pelos proprietários, o centro comercial Hipo Fábricas, que funciona há mais de duas décadas no Centro de Porto Alegre, fechou as portas nesta quinta-feira (19). Cerca de 20 lojistas que trabalhavam no local se concentraram em frente ao prédio de seis andares durante a manhã para reivindicar a reabertura.
Como anunciado pelos proprietários, o centro comercial Hipo Fábricas, que funciona há mais de duas décadas no Centro de Porto Alegre, fechou as portas nesta quinta-feira (19). Cerca de 20 lojistas que trabalhavam no local se concentraram em frente ao prédio de seis andares durante a manhã para reivindicar a reabertura.
A Hipo Fábricas funciona como um pequeno shopping na esquina da rua Doutor Flores com a avenida Voluntários da Pátria, em uma das regiões mais movimentadas da Capital. Dos 70 espaços de locação, 38 estavam ocupados. Desde que foram avisados que teriam de deixar o empreendimento, em 18 de junho, os locatários tentaram um acordo para permanecer por mais 90 dias, para organizar as transferências, mas o prazo não foi aceito pelos proprietários.
> VÍDEOS JC: Lojistas querem ficar no local
Sem acerto com os advogados da família Maisonnave, proprietária do imóvel, os comerciantes tentam manter o funcionamento do centro comercial através de uma ação na Justiça. O objetivo é discutir a modalidade do contrato com os lojistas, que hoje é de comodato. “Estamos provando que há uma locação comercial e pedindo os direitos advindos disso, como o lucro cessante pelos dias em que permanecer fechado, fundo de comércio e a reparação por perdas e danos”, explica Carlos Santana, do escritório Borba & Borba Advogados, que representa os comerciantes.
Segundo ele, a empresa não apresentou um motivo justo para o fechamento do imóvel. “Em caso de locação para fins comerciais, a venda não seria um motivo justo, porque a preferência de compra é direito de quem já ocupa o imóvel”, explica Santana. Na quarta-feira (18), representantes do Hipo chegaram a tentar um novo acordo, oferecendo um prazo de 15 dias para a desocupação do empreendimento, o que não foi aceito pelos lojistas.
Durante a mobilização desta manhã, uma das mais indignadas era a promotora de eventos Janice Vieira, que atua há 19 anos no local e trabalha com o aluguel de roupas para festas e eventos. “Tenho com bastante roupas alugadas para eventos neste final de semana e estou sem acesso para poder pegá-las”, reclamou. “Prejudica muito, porque as pessoas locam com antecedência. E isso deixa muita gente insegura”, salienta a empreendedora.
{'nm_midia_inter_thumb1':'https://www.jornaldocomercio.com/_midias/jpg/2018/07/19/206x137/1_mgr190718hipo_fechado007-8409923.jpg', 'id_midia_tipo':'2', 'id_tetag_galer':'', 'id_midia':'5b50a29dbdb25', 'cd_midia':8409923, 'ds_midia_link': 'https://www.jornaldocomercio.com/_midias/jpg/2018/07/19/mgr190718hipo_fechado007-8409923.jpg', 'ds_midia': 'Protesto no Hipo Fábricas.   Lojistas e funcionários diante do prédio aguardando decisão judicial.   na foto: Janice Vieira, logista', 'ds_midia_credi': 'MARCELO G. RIBEIRO/JC', 'ds_midia_titlo': 'Protesto no Hipo Fábricas.   Lojistas e funcionários diante do prédio aguardando decisão judicial.   na foto: Janice Vieira, logista', 'cd_tetag': '1', 'cd_midia_w': '800', 'cd_midia_h': '533', 'align': 'Left'}
Janice Vieira reclamou que não conseguia acessar o prédio nesta manhã
Outra que protestava era a comerciante Salete dos Santos Morais, que há 23 anos comanda uma loja de moda feminina com duas unidades no Hipo. “Desde o último mês, não conseguia mudar a vitrine e minhas vendas caíram cerca de 60%. Também não temos mais serviços de limpeza há três dias”, conta Salete. “De nossos seis funcionários, a maioria tem crianças pequenas e as famílias dependem daqui”, completa a Salete.
O advogado Henrique Burns, que representa o Hipo Fábricas, afirma que o acesso dos empreendedores para a retirada dos produtos está sendo permitido, mas que a reabertura é “inviável”, já que o imóvel será entregue aos proprietários. “Não há nenhuma proposta para a reabertura por mais tempo, até porque muitos expositores estão inadimplentes com operações”, diz Burns.
Ele também afasta a ideia de que o sistema de contrato possa ser visto como locação comercial. “A Hipo não reconhece isso. É uma posição jurídica (dos defensores dos lojistas) que a gente compreende”, resume.