Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 16 de julho de 2018.
Dia do Comerciante .

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

mercado financeiro

16/07/2018 - 10h54min. Alterada em 16/07 às 10h54min

Depois de abrir em leve queda, Ibovespa alterna altas e baixas

O Ibovespa iniciou o pregão em queda nesta segunda-feira (16) e, pouco depois, passou a alternar pequenas altas e baixas. A tendência para esta segunda-feira não é clara, visto que tanto a queda quanto a alta foram muito modestas. A abertura em alta moderada de Dow Jones e Nasdaq em Nova Iorque reforça a falta de uma direção clara para a bolsa brasileira.
Às 10h29min, o Ibovespa caía 0,04% aos 76.560,77 pontos. O barril de petróleo em NY caía 2,42% (WTI para agosto) e em Londres recuava 2,91% (Brent para setembro).
Entre as ações que sobem, estão as do Bradesco e as da Eletrobras. Os papéis da estatal reagem positivamente ao pedido da AGU e do BNDES atendido pelo TRF-2 a favor da realização do leilão das distribuidoras. Entre as ações que caem, estão as da Petrobras. A petroleira iniciou a semana em queda de mais de 1%, acompanhando a desvalorização dos preços do petróleo nos mercados futuros em NY (Nymex) e em Londres (ICE). Há temores de que a Rússia venha a elevar a produção e relatos de mais oferta saudita.
A falta de uma direção clara também acontece, nesta segunda-feira, no mercado de câmbio. O dólar abriu em baixa ante o real. Após registrar mínima aos R$ 3,8352 (-0,38%), a divisa passou a subir conduzido por demanda de importadores e tesouraria, principalmente após a divulgação nos EUA de indicadores que mostraram melhora da economia americana.
Voltando à bolsa, outro destaque do noticiário corporativo é a Embraer. A fabricante de aeronaves está entre as maiores altas após ter anunciado na Farnborough Airshow, na Inglaterra, contrato com a United Airlines para uma ordem firme de 25 E175 jatos. O contrato é de US$ 1,1 bilhão.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia