Porto Alegre, sábado, 14 de março de 2020.
Dia Nacional da Poesia. Dia do Vendedor de Livros.

Jornal do Comércio

Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

CORRIGIR

Conjuntura internacional

16/07/2018 - 08h33min. Alterada em 16/07 às 08h33min

PIB da China desacelera e cresce 6,7% no 2º trimestre, na comparação anual

O Produto Interno Bruto (PIB) da China cresceu 6,7% no segundo trimestre deste ano na comparação com igual período de 2017, informou nesta segunda-feira (16) o governo local. O desempenho veio em linha com a projeção de analistas consultados pela Dow Jones Newswires. No primeiro trimestre de 2018, o PIB do país asiático havia avançado 6,8%.
O Produto Interno Bruto (PIB) da China cresceu 6,7% no segundo trimestre deste ano na comparação com igual período de 2017, informou nesta segunda-feira (16) o governo local. O desempenho veio em linha com a projeção de analistas consultados pela Dow Jones Newswires. No primeiro trimestre de 2018, o PIB do país asiático havia avançado 6,8%.
A produção industrial do país registrou avanço de 6,0% em junho. O resultado veio mais fraco que a alta de 6,8% do mês anterior e também frustrou a previsão de crescimento de 6,5% dos analistas. Na comparação com o mês anterior, a produção da indústria chinesa teve avanço de 0,36%, mostraram os números oficiais.
As vendas no varejo tiveram crescimento de 9,0% em junho, na comparação com igual mês do ano anterior. Analistas previam alta menor, de 8,8%, após as vendas terem alta de 8,5% em maio. Na comparação mensal, as vendas no varejo tiveram crescimento de 0,73% em junho.
O investimento em ativos fixos na China registrou crescimento de 6,0% no período entre janeiro e junho, na comparação com igual período do ano passado, como esperado pelos investidores. Entre janeiro e maio, a alta na comparação anual havia sido de 6,1%.