Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 16 de julho de 2018.
Dia do Comerciante .

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Agronegócios

Notícia da edição impressa de 16/07/2018. Alterada em 16/07 às 01h00min

Trigo retoma importância junto ao produtor

Lavouras da cultura têm apresentado bom desenvolvimento nas regiões produtoras do Rio Grande do Sul

Lavouras da cultura têm apresentado bom desenvolvimento nas regiões produtoras do Rio Grande do Sul


/FECOAGRO/DIVULGAÇÃO/JC

Com o plantio na reta final, a cultura do trigo no Rio Grande do Sul tem apresentado bom desenvolvimento. Em áreas plantadas mais cedo, como as de regiões mais quentes, já há aplicação de ureia e nitrogênio, e em outros locais ocorre o preparo para a aplicação de fungicidas. Já nas regiões mais frias, há um processo de emergência normal com chuvas que foram benéficas para a cultura. A avaliação é da Federação das Cooperativas Agropecuárias do Estado do Rio Grande do Sul (FecoAgro-RS).

Para o presidente da entidade, Paulo Pires, o mais importante é que o Rio Grande do Sul plantou a mesma área em relação ao período anterior, com quase 700 mil hectares. Avalia que mesmo pequena, traz a certeza de que o produtor acha fundamental plantar a cultura. "Há uma convicção de que é importante plantar trigo para que haja a questão agronômica, fazendo a cobertura do solo, do fornecimento de palha para o plantio direto, ao mesmo tempo que precisa de uma cultura para ajudar a manter o resultado econômico e manter a propriedade para os custos fixos", salienta.

Pires observa que existem ensaios de venda para a exportação dentro do quadro que a FecoAgro vem pregando nos últimos anos. "É importante que o Rio Grande do Sul produza o trigo pão para abastecer a indústria local, mas que também se comece a trabalhar com eficiência no trigo para a exportação, pois isso vai melhorar a questão de oferta e demanda dentro do Estado e vai tentar dar liquidez para a safra dos nossos agricultores. O produtor quer colher e ter a capacidade de transformar o resultado do seu produto em dinheiro", afirma.

Conforme o presidente da FecoAgro-RS, há uma convicção de que a diversificação da cultura com produção voltada para outros mercados não vai trazer prejuízos para a cadeia produtiva. "Pelo contrário, o produtor que vinha diminuindo a área vai começar a acreditar na cultura e podemos ter um aumento de área nos próximos anos e corrigir a distorção de que temos no inverno apenas 10% de área coberta em relação ao verão", explica.

Sobre preços, Pires reforça que atualmente o trigo no Rio Grande do Sul apresenta valores satisfatórios para o produtor. Entretanto, analisa que existem visões diferenciadas no mercado, onde alguns especialistas acham que o patamar dos preços do trigo pode cair, mas não tanto quanto em outros anos, assim como existem visões de outros analistas que dizem que o cereal cai para valores equiparados para antes do plantio, de R$ 32,00 na pedra para as cooperativas.

De acordo com os resultados do segundo ano da pesquisa de alternativas para o cereal, realizada em conjunto com a Embrapa Trigo, a variação da redução de custos verificada no estudo ficou entre 8,98% e 24,3%. No primeiro ano, a redução máxima foi de 18,7%. O projeto foi desenvolvido em campos experimentais da Coopatrigo, em São Luiz Gonzaga, da Cotricampo, em Campo Novo, da Cotrirosa, de Santa Rosa, e da Cotripal, de Panambi, além de uma área da Embrapa em Coxilha.

COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia