Porto Alegre, sábado, 14 de março de 2020.
Dia Nacional da Poesia. Dia do Vendedor de Livros.

Jornal do Comércio

Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

CORRIGIR

contas públicas

12/07/2018 - 01h14min. Alterada em 12/07 às 01h00min

TCU mantém acordo de leniência da Odebrecht

Devolução parcelada ao erário será de R$ 2,7 bilhões em até 22 anos

Devolução parcelada ao erário será de R$ 2,7 bilhões em até 22 anos


YASUYOSHI CHIBA/AFP/JC
O Tribunal de Contas da União (TCU) decidiu manter em vigor o acordo de leniência recém-firmado pelo governo com a Odebrecht. Ao avaliar a concessão de medida cautelar para evitar a assinatura do termo ou para suspender seus efeitos, os ministros entenderam que o pleito perdeu objeto e não faz mais sentido, pois a AGU Advocacia-Geral da União (AGU) e a Controladoria-Geral da União (CGU) já concluíram as negociações com o grupo.
O Tribunal de Contas da União (TCU) decidiu manter em vigor o acordo de leniência recém-firmado pelo governo com a Odebrecht. Ao avaliar a concessão de medida cautelar para evitar a assinatura do termo ou para suspender seus efeitos, os ministros entenderam que o pleito perdeu objeto e não faz mais sentido, pois a AGU Advocacia-Geral da União (AGU) e a Controladoria-Geral da União (CGU) já concluíram as negociações com o grupo.
O anúncio da assinatura do acordo foi feito na segunda-feira pelos ministros da AGU, Grace Mendonça, e da CGU, Wagner Rosário, que só o enviaram ao TCU quase 24 horas depois. A conduta gerou atritos entre autoridades do governo e do tribunal. A corte de contas expediu uma instrução em 2015, obrigando o Executivo a submeter à sua análise e autorização prévias cada fase dos acordos de leniência.
A cautelar havia sido solicitada antes disso por auditores da corte, sob o argumento de que as duas pastas do governo estavam descumprindo essa norma e obstruindo seu papel de fiscalizar ao negar acesso a documentos do caso.
A AGU e a CGU alegam que a Constituição e a Lei Anticorrupção não as obrigam a submeter as negociações ao crivo do tribunal.
O ministro Marcos Bemquerer - que substituiu o relator do processo, Bruno Dantas, no julgamento - sustentou em seu voto que as próprias cláusulas do acordo e eventuais prejuízos da conduta adotada pelo governo no caso poderão ser analisados a posteriori.
O governo pactuou com o grupo o pagamento de R$ 2,7 bilhões ao erário em até 22 anos, a título de reparação e de multas decorrentes da responsabilidade no esquema de corrupção investigado na Lava Jato.