Porto Alegre, sábado, 14 de março de 2020.
Dia Nacional da Poesia. Dia do Vendedor de Livros.

Jornal do Comércio

Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

CORRIGIR

consumo

12/07/2018 - 01h23min. Alterada em 12/07 às 01h00min

Faturamento dos atacadistas recua em maio

O faturamento dos setores atacadista e de distribuição recuou 9,29% em maio, em termos nominais, ante igual período do ano passado, aponta pesquisa mensal da Associação Brasileira de Atacadistas e Distribuidores de Produtos Industrializados (Abad), apurada pela Fundação Instituto de Administração (FIA). Na comparação com abril houve leve alta de 0,05%. No acumulado de janeiro a maio o recuo foi de 4,60% ante igual etapa do ano anterior.
O faturamento dos setores atacadista e de distribuição recuou 9,29% em maio, em termos nominais, ante igual período do ano passado, aponta pesquisa mensal da Associação Brasileira de Atacadistas e Distribuidores de Produtos Industrializados (Abad), apurada pela Fundação Instituto de Administração (FIA). Na comparação com abril houve leve alta de 0,05%. No acumulado de janeiro a maio o recuo foi de 4,60% ante igual etapa do ano anterior.
O presidente da Abad, Emerson Destro, explica que a greve dos caminhoneiros prejudicou o desempenho do setor em maio. "Mas ninguém foi mais prejudicado do que a população, que é quem sempre paga a conta da instabilidade política e econômica", destaca.
Para o presidente da entidade, com o desemprego em alta é difícil pensar no crescimento do consumo ainda em 2018. "Começamos o ano com boas expectativas em relação à retomada econômica, mas o nível de desemprego continua alto e não há tempo para reverter essa situação com um cenário de eleições que vai tomar todo o segundo semestre.
"O ano de 2019 será mais um de resiliência. Esperamos que o novo presidente assuma com apoio suficiente do Congresso para implementar a agenda positiva de que o País tanto necessita", avalia.