Porto Alegre, sábado, 14 de março de 2020.
Dia Nacional da Poesia. Dia do Vendedor de Livros.

Jornal do Comércio

Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

CORRIGIR

Construção Civil

11/07/2018 - 16h42min. Alterada em 11/07 às 16h42min

Vendas de cimento sobem 13,2% em junho no mercado interno

As vendas de cimento no mercado interno totalizaram 5 milhões de toneladas em junho, um volume 13,2% maior que no mesmo mês de 2017, de acordo com dados divulgados nesta quarta-feira (11) pelo Sindicato Nacional da Indústria do Cimento (Snic). Os números mostram uma recuperação frente a maio, quando as vendas somaram 3,6 milhões de toneladas, o equivalente a uma baixa de 20,3% na comparação anual, afetadas pela paralisação de caminhoneiros em todo o País.
As vendas de cimento no mercado interno totalizaram 5 milhões de toneladas em junho, um volume 13,2% maior que no mesmo mês de 2017, de acordo com dados divulgados nesta quarta-feira (11) pelo Sindicato Nacional da Indústria do Cimento (Snic). Os números mostram uma recuperação frente a maio, quando as vendas somaram 3,6 milhões de toneladas, o equivalente a uma baixa de 20,3% na comparação anual, afetadas pela paralisação de caminhoneiros em todo o País.
No acumulado do primeiro semestre, as vendas da indústria no mercado interno chegaram a 25,4 milhões de toneladas, queda de 1,5% frente ao mesmo período do ano passado. E no acumulado dos últimos 12 meses até junho as vendas atingiram 52,9 milhões de toneladas, quantidade 3,2% menor do que nos 12 meses anteriores.
Após os resultados ruins de maio, o SNIC decidiu revisar as projeções de vendas do setor neste ano. A instituição, que previa alta de 1% a 2% nas vendas, agora espera que o desempenho no ano fique no campo negativo. Se confirmado, será o quarto ano seguido de retração da indústria do cimento.
"Nós projetávamos um desempenho já positivo no primeiro semestre, mas a greve ocorrida em maio provocou paralisação das vendas nos últimos dez dias daquele mês e, mesmo com alguma recuperação em junho, esse resultado não foi suficiente para repor a perda", comentou, em nota, o presidente do sindicato, Paulo Camillo Penna.