Porto Alegre, sábado, 14 de março de 2020.
Dia Nacional da Poesia. Dia do Vendedor de Livros.

Jornal do Comércio

Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

CORRIGIR

Negócios Corporativos

10/07/2018 - 19h07min. Alterada em 10/07 às 19h07min

Fundo soberano do Noruega exclui JBS de sua carteira de investimentos

O fundo soberano da Noruega, o maior do mundo, com US$ 1 trilhão em ativos, decidiu excluir a JBS de sua carteira de investimentos, alegando que há "riscos inaceitáveis". Em comunicado divulgado nesta terça-feira (10), pelo Norges Bank Investment Management, o braço do Banco Central norueguês responsável pela administração da carteira. O fundo diz que a JBS está envolvida em "corrupção bruta". O fundo tinha 1,117 bilhão de coroas norueguesas aplicadas na companhia brasileira, o equivalente a US$ 143 milhões, de acordo com o balanço de dezembro de 2017.
O fundo soberano da Noruega, o maior do mundo, com US$ 1 trilhão em ativos, decidiu excluir a JBS de sua carteira de investimentos, alegando que há "riscos inaceitáveis". Em comunicado divulgado nesta terça-feira (10), pelo Norges Bank Investment Management, o braço do Banco Central norueguês responsável pela administração da carteira. O fundo diz que a JBS está envolvida em "corrupção bruta". O fundo tinha 1,117 bilhão de coroas norueguesas aplicadas na companhia brasileira, o equivalente a US$ 143 milhões, de acordo com o balanço de dezembro de 2017.
O fundo norueguês tinha ao final de 2017 uma fatia de 1,78% do capital da JBS. Os noruegueses, que usam recursos provenientes do petróleo no fundo soberano, possuem as ações da empresa de alimentos brasileira desde ao menos 2008. Os dados mostram que foi em 2016 que as compras de ações da JBS se intensificaram, subindo de 228 milhões de coroas norueguesas em 2015 para 1,155 bilhão no ano seguinte.
No mesmo comunicado que anuncia a exclusão da JBS de seus investimentos, o fundo da Noruega comunica a exclusão de outras três empresas, as norte-americanas PacifiCorp e Tri-State Generation and Transmission Associatio, ambas do setor de energia, pelo uso de carvão térmico, que fere as práticas de ética do fundo. Outra excluída foi a companhia Luthai Textile, da China, que atua no segmento têxtil, por constantes "violações dos direitos humanos".
No dia 1º de março, o comitê de ética do fundo soberano da Noruega recomendou a exclusão dos investimentos na JBS, segundo o comunicado. A decisão foi publicada hoje pelo Norges Bank. O banco argumenta que ex-executivos e diretores da JBS admitiram publicamente o pagamento de propinas para mais de 1,8 mil políticos, de 28 partidos brasileiros, nos últimos 10 a 15 anos.