Porto Alegre, sábado, 14 de março de 2020.
Dia Nacional da Poesia. Dia do Vendedor de Livros.

Jornal do Comércio

Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

CORRIGIR

indústria

11/07/2018 - 01h06min. Alterada em 11/07 às 01h00min

Toyota confirma a intenção de ampliar investimentos em Guaíba

Centro de Distribuição é porta de entrada dos veículos Hilux e SW4

Centro de Distribuição é porta de entrada dos veículos Hilux e SW4


/MARCELO G. RIBEIRO/JC
A Toyota confirmou, ontem, que pretende investir mais no Centro de Distribuição de Guaíba. A informação foi divulgada pelo presidente da multinacional no Brasil, Rafael Chang Miyasaki, em reunião com o governador José Ivo Sartori, no Palácio Piratini.
A Toyota confirmou, ontem, que pretende investir mais no Centro de Distribuição de Guaíba. A informação foi divulgada pelo presidente da multinacional no Brasil, Rafael Chang Miyasaki, em reunião com o governador José Ivo Sartori, no Palácio Piratini.
O Centro de Distribuição de Guaíba, inaugurado em 2005, é a porta de entrada dos veículos (Hilux e SW4) produzidos na Argentina. O local instala peças nos automóveis, faz as adequações que a legislação exige e, depois, distribui para as 236 concessionárias da empresa no País. Hoje, é o maior gerador de renda para o município de Guaíba.
Segundo o presidente da Toyota, a empresa ainda não tem números definitivos dos novos investimentos porque os detalhes da expansão estão sendo fechados. "Assinamos um compromisso para seguir com a parceria e aumentar nossas atividades em Guaíba. Queremos um projeto de ampliação, não só das nossas operações, mas também para gerar mais empregos e incluir fornecedores de peças do Estado", disse Miyasaki.