Porto Alegre, sábado, 14 de março de 2020.
Dia Nacional da Poesia. Dia do Vendedor de Livros.

Jornal do Comércio

Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

CORRIGIR

Mercado Financeiro

05/07/2018 - 19h20min. Alterada em 05/07 às 19h20min

Dólar sobe ante iene com ata do Fed e euro avança com menor tensão comercial

O dólar subiu ante o iene nesta quinta-feira (5) em reação ao teor da ata da mais recente reunião de política monetária do Federal Reserve (Fed, o banco central americano). Por sua vez, o euro avançou, diante da possibilidade de acerto entre União Europeia e Estados Unidos na questão das tarifas automotivas.
O dólar subiu ante o iene nesta quinta-feira (5) em reação ao teor da ata da mais recente reunião de política monetária do Federal Reserve (Fed, o banco central americano). Por sua vez, o euro avançou, diante da possibilidade de acerto entre União Europeia e Estados Unidos na questão das tarifas automotivas.
Na ata do encontro de junho, os dirigentes do Fed sinalizaram a elevação gradual dos juros até o "nível neutro" em 2019. O documento relatou certo desconforto crescente entre os dirigentes com a política comercial, a elevação do dólar nos mercados emergentes e a possibilidade de a política fiscal não estar em um ritmo sustentável.
Por outro lado, o documento destacou que os membros do banco central relataram a expectativa por aumento da pressão salarial em alguns distritos americanos e a confiança que a inflação está em trajetória sustentável para a meta de 2%.
"A ata da reunião de junho do Fomc captura um Fed que em termos gerais está feliz com o ritmo do crescimento econômico e com a falta de pressão de inflação imediata, mas com riscos em ambas as direções", resumiu o economista-chefe da Pantheon Macroeconomics, Ian Shepherdson.
Em reação, no final da tarde em Nova York, o dólar subia para 110,68 ienes.
Por sua vez, o euro ganhou fôlego após o embaixador americano na Alemanha, Richard Grenell, dizer que Washington propôs parar de ameaçar impor tarifas a carros importados da União Europeia se o bloco concordar em suspender sua tarifação sobre veículos americanos.
Mais tarde, ainda pela manhã, a chanceler alemã, Angela Merkel, disse que a redução de barreiras sobre carros pode ser opção para o fim do impasse.