Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 06 de julho de 2018.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Consumo

Notícia da edição impressa de 06/07/2018. Alterada em 06/07 às 01h00min

Confiança do consumidor é a pior em dois anos, diz pesquisa

Mais brasileiros acreditam que a sua renda vai diminuir

Mais brasileiros acreditam que a sua renda vai diminuir


/JOÃO MATTOS/ARQUIVO/JC

A confiança do consumidor em junho foi a pior em dois anos, informou, nesta quinta-feira, a Confederação Nacional da Indústria (CNI). O Índice Nacional de Expectativa do Consumidor (Inec) registrou queda de 3,8% na passagem de maio para junho, atingindo 98,3 pontos. A queda de junho é a maior em dois anos, desde abril de 2016, quando o Inec ficou em 97,5 pontos. A média histórica do indicador é 107,8 pontos.

Quanto maior o índice, mais otimistas estão os consumidores. O ápice do índice ocorreu em outubro de 2010, quando alcançou 120,7 pontos.

O recuo ocorreu pela piora nas expectativas dos consumidores. Mais brasileiros acreditam que a inflação vai aumentar e que o emprego e a renda vão diminuir. O índice de expectativa em relação à inflação recuou 10,1% em junho em relação ao mês anterior; o indicador de expectativa de desemprego caiu 8,4%/; e o de índice de perspectiva em relação à própria renda está 4,4% menor. Quanto menor o dado, maior a parcela dos consumidores mais preocupada com a evolução futura dos preços, do emprego e de sua renda.

As variáveis de condições financeiras, que comparam a situação atual com os três meses anteriores, também demonstram um cenário de pessimismo. O índice de situação financeira caiu 4,5%, enquanto o de endividamento registrou queda de 2,6%. Quanto maior a queda, pior a situação financeira e maior o número de dívidas.

COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia