Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 06 de julho de 2018.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Agronegócios

Notícia da edição impressa de 06/07/2018. Alterada em 06/07 às 01h00min

Fetag e governo gaúcho lançam projeto para biodiversidade

A Federação dos Trabalhadores da Agricultura (Fetag) e o governo do Estado, através da Secretaria do Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável, realizaram, nesta quinta-feira, o lançamento do Projeto de Recuperação e Conservação da Biodiversidade nos Biomas Mata Atlântica e Pampa. O governador José Ivo Sartori, a secretária de Ambiente e Desenvolvimento Sustentável, Ana Pellini, e o presidente da Fetag, Carlos Joel da Silva, assinaram o protocolo para a execução dos projetos a serem executados no período de 2018 a 2020, que preveem reposição florestal com o plantio de um milhão de mudas de árvores nativas.

Os recursos são oriundos da Reposição Florestal Obrigatória (RFO) por parte de empreendedores com passivos ambientais junto ao Departamento de Biodiversidade da Secretaria do Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável no valor de R$ 9,4 milhões. Conforme Joel, o projeto prevê a recuperação, a conservação e o manejo com boas práticas dos remanescentes de vegetação nativa das pequenas propriedades de agricultores familiares que desenvolvam atividades agrossilvopastoris ou agroindustriais.

No Bioma Mata Atlântica, serão plantadas 600 mil mudas nativas com manejo e controle de pragas para recuperação de mais de 6,6 milhões de metros quadrados de vegetação. Já no Bioma Pampa serão convertidas 400 mil mudas através do manejo, melhoramento de solo e rotação de carga animal.

O público-alvo do projeto são mais de 202 mil famílias de agricultores e pecuaristas familiares associados aos sindicatos dos trabalhadores rurais e à Fetag.

COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia