Porto Alegre, sábado, 14 de março de 2020.
Dia Nacional da Poesia. Dia do Vendedor de Livros.

Jornal do Comércio

Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

CORRIGIR

Mercado imobiliário

05/07/2018 - 15h47min. Alterada em 05/07 às 17h59min

Imóveis de R$ 4,5 milhões de acionistas do M.Grupo vão a leilão

Terreno que vai a leilão fica ao lado do Shopping Gravataí e teria o edifício mais alto do Estado

Terreno que vai a leilão fica ao lado do Shopping Gravataí e teria o edifício mais alto do Estado


GoogleMaps/Reprodução/JC
Patrícia Comunello
O primeiro leilão de imóveis pertencentes a acionistas do M.Grupo será no começo de agosto e envolve quatro bens, um deles é a área onde seria erguido o que foi prometido e anunciado como o edifício que seria o mais alto do Rio Grande do Sul, com 42 andares em Gravataí. Mas o prédio nunca foi erguido pela Magazine Incorporações, pertencente aos acionistas do grupo e que está em processo de falência desde 2017 após decretação pela Justiça gaúcha. O leilão serve para gerar recursos para pagar credores da massa falida do Magazine.
O primeiro leilão de imóveis pertencentes a acionistas do M.Grupo será no começo de agosto e envolve quatro bens, um deles é a área onde seria erguido o que foi prometido e anunciado como o edifício que seria o mais alto do Rio Grande do Sul, com 42 andares em Gravataí. Mas o prédio nunca foi erguido pela Magazine Incorporações, pertencente aos acionistas do grupo e que está em processo de falência desde 2017 após decretação pela Justiça gaúcha. O leilão serve para gerar recursos para pagar credores da massa falida do Magazine.
Os outros três bens envolvem duas áreas de terras - uma em Viamão e outra em Bom Princípio -, e um apartamento com box em Porto Alegre (veja a descrição no final do texto). Os ativos imobiliários totalizam R$ 4,5 milhões considerando o valor mínimo de oferta. O leilão será em 9 de agosto, às 14h30min no fórum de Porto Alegre.
O administrador judicial da massa falida, João Medeiros Fernandes Júnior, sócio da Medeiros & Medeiros Administração Judicial, adianta que mais bens devem ir à leilão. Um dos imóveis é uma mansão na praia de Jurerê Internacional, em Florianópolis, mas depende de definição do valor pela Justiça. Houve recurso dos donos da Magazine contra a avaliação apresentada pelo leiloeiro judicial, que atribuiu cifra de R$ 4,2 milhões. 
Sobre os imóveis que estão com leilão marcado, Medeiros acredita que haverá compradores. "Esperamos que haja interessados e que os valores possam aumentar. O dinheiro será depositado em uma conta judicial a ser movimentada apenas com autorização do juiz de falências", explica o advogado. A transferência a credores vai ocorrer mais à frente. "Não tem previsão ainda de quando e quanto será pago."
Em abril, a falência que havia sido suspensa foi retomada. Em maio, a Justiça também decretou o bloqueio de bens dos acionistas no valor de R$ 1 bilhão. A Polícia Federal também já fez apreensões de materiais em endereços da família que fundou o grupo. O shopping de Gravataí acabou sendo retirado da gestão do M.Grupo na execução de garantias para investidores. O terreno de mais de 13 mil metros quadrados fica ao lado do shopping. A Magazine e outras operações imobiliárias, como shopping centers (o de Gravataí e em outras cidades gaúchas), apart-hotel e residenciais, estavam ligados ao empresário paulista Lorival Rodrigues e seus filhos.
O grupo chegou ao Estado no começo dos anos de 2010 e teve um crescimento exponencial, com obras e aquisições de empreendimentos e até jatos executivos em Porto Alegre, Gravataí, Litoral Norte e algumas cidades do Interior. Mas em 2014 as dificuldades começam, com paralisação de obras e processos de investidores e compradores cobrando empréstimos e imóveis não entregues. Rodrigues chegou a atribuir os problemas à crise econômica e ainda disse, em entrevista ao Jornal do Comércio, que tinha patrimônio de R$ 1 bilhão para cumprir compromissos, valor que acabou alvo de bloqueios. 
O Majestic, que seria erguido, chegou a ser comercializado. No terreno, há ainda resquícios de materiais que seriam usados em fundações. Nas proximidades, estão mais cinco torres - duas comerciais e três residenciais - que não chegaram a ser concluídas e que hoje estão na posse de associações de compradores que tentam concluir os empreendimentos. 

Ofertas do primeiro leilão de bens dos acionistas do M.Grupo:

Dia: 9/8/2018, às 14h30min pelo Raupp Leilões
Local do leilão: átrio do Fórum de Porto Alegre
1. Terreno em Gravataí: onde seria erguido o edifício Majestic (rua Nova York, 110, bairro Passo das Pedras, em Gravataí). Com 13.862 m². Imóvel registrado com o número 34.576, livro 2, do Registro Geral de Imóveis de Gravataí. Valor: R$ 831.720,00.
2. Área de terra em Viamão: no Campo das Amoras, no distrito de Itapuã. Com 45 hectares. Imóvel registrado com o número 39.020, livro 2, do Registro Geral de Imóveis em Viamão. Valor: R$ 924.420,45.
3. Apartamento com box em Porto Alegre: na avenida Nilo Peçanha, 1803. Com 192,19 m². Imóvel registrado com o número 139.508 39.020, livro 2, do Registro Geral de Imóveis em Porto Alegre. Valor: R$ 772.918,92.
4. Área de terra em Bom Princípio: Bela Vista. Com 36,9 hectares. Imóvel registrado com o número 23.215 no Registro Geral de Imóveis de Bom Princípio. Valor: R$ 2 milhões.