Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 05 de julho de 2018.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

trânsito

Notícia da edição impressa de 05/07/2018. Alterada em 05/07 às 01h00min

Derrubado veto à federalização de trecho da Rota Caminhos da Neve

O Congresso Nacional derrubou ontem o veto do presidente Michel Temer à federalização de um trecho de rodovia entre os municípios de Bom Jesus (RS) e Bom Retiro (SC), conhecido como Rota Caminhos da Neve. A estrada faz a ligação entre duas rodovias federais, a BR-285 e a BR-282, e tem aproximadamente 161 quilômetros de extensão.
Com a decisão, a rodovia passa a fazer parte do Sistema Nacional de Viação e ficará sob responsabilidade do governo federal. Caberá à União destinar recursos para a manutenção e conservação da rodovia.
A federalização foi proposta pelo deputado Alceu Moreira (MDB-RS), diante da ausência de recursos do governo gaúcho para investir na conservação e ampliação da estrada. O Rio Grande do Sul tem enfrentado dificuldades para pagar salários de servidores e ainda negocia com a União o ingresso no regime de recuperação fiscal, para estados em grave crise financeira.
Temer vetou a proposta, aprovada pela Câmara e pelo Senado, a pedido do Ministério dos Transportes, Portos e Aviação Civil, que alegou que a federalização da rodovia em questão não atendia aos requisitos necessários. Para a pasta, o trecho se enquadra nas exigências legais para ser uma rodovia estadual, como já é hoje.
Apesar da justificativa do governo, os parlamentares se articularam para derrubar o veto e garantir a federalização da rodovia. O veto, que seria apreciado em bloco na sessão da semana passada, foi destacado para votação em separado.
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia