Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 05 de julho de 2018.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Energia

Notícia da edição impressa de 05/07/2018. Alterada em 05/07 às 01h00min

Geração por biomassa recebe aporte de R$ 1 bilhão

Licença prévia para o empreendimento foi entregue no Palácio Piratini

Licença prévia para o empreendimento foi entregue no Palácio Piratini


/DANI BARCELLOS/PALÁCIO PIRATINI/JC
Um novo empreendimento para geração de energia sustentável a partir do uso de biomassa deve gerar emprego e renda na Região Sul do Estado. O governador José Ivo Sartori entregou, ontem, licença prévia emitida pela Fundação Estadual de Proteção Ambiental (Fepam) para empresa que vai se instalar no município de Pinheiro Machado.
O empreendimento da empresa Pellco prevê investimento de R$ 1 bilhão com a participação de empresas nacionais e estrangeiras. A produção consiste na fabricação de pellets em madeira e na cogeração de eletricidade a partir de biomassa (toras moídas, cascas/galhos e feixes de árvores, e casca de arroz), visando a uma capacidade mensal de produção de 75 mil toneladas de pellets e cogeração de 50 MW de energia elétrica. A área a ser construída será superior a 112 mil metros quadrados. O pellet deve ser exportado para países como Japão e Estados Unidos, para ser queimado em caldeiras de usinas.
Sartori comemorou a construção de um sistema de licenciamento, pela Secretaria do Ambiente e Desenvolvimento Sustentável, que não atrapalha a vontade de quem quer investir e gerar emprego no Rio Grande do Sul. "Não criamos obstáculos, mas condições através do diálogo e do entendimento. Para nós, a formação de emprego, de trabalho e de renda para as pessoas é extremamente importante. (O licenciamento) é uma construção coletiva, dos empreendedores, dos municípios e do Estado. Entregar essa licença, para mim, é uma satisfação enorme, porque os empreendedores sempre respeitaram esse processo. O tempo médio para liberação de licenças passou de 900 para 90 dias, e isso sem prejudicar o ambiente e a preservação da natureza. Acredito, sim, que esta é uma maneira de modernizar o Estado e oferecer as condições necessárias àqueles que querem investir no Rio Grande do Sul", afirmou.
O presidente da Pellco Brasil, Luiz Eduardo Batalha, afirmou que a empresa já trabalha há dois anos e meio no projeto e que a estimativa é de que serão criados 1,5 mil empregos diretos na fase de construção e mais 1,2 mil para o funcionamento da indústria. "Temos 45 anos de agronegócio, somos uma empresa que se mantém com um trabalho de qualidade e coragem. Ninguém pode competir com a gente no campo florestal, temos gente de muita competência, que sabe muito sobre madeira. E, para se ter uma ideia, o pellet é uma energia limpa e renovável que pode limpar a poluição que 5 bilhões de toneladas de carvão por ano dissipam no mundo. De pellets, apenas 27 milhões de toneladas são produzidas atualmente. Então, vamos partir tranquilamente em um mercado que vai fazer com que puxe toda essa sujeira. A gente tem muito a crescer, agradecemos a oportunidade de investir no Estado", disse.
O processo para licenciamento deu entrada na Fepam no dia 31 de janeiro deste ano e foi analisado no Relatório Ambiental Simplificado, seguindo as premissas da Resolução Conama nº 279/2001, para empreendimentos de geração termoelétrica com impacto ambiental de pequeno porte. O projeto da Pellco deve beneficiar também a linha férrea da região, que pode ser reformada se aprovado o projeto.
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia