Porto Alegre, sábado, 14 de março de 2020.
Dia Nacional da Poesia. Dia do Vendedor de Livros.

Jornal do Comércio

Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

CORRIGIR

comércio exterior

04/07/2018 - 10h27min. Alterada em 04/07 às 10h26min

Merkel promete fazer 'todos os esforços' para evitar guerra comercial com EUA

A chanceler da Alemanha, Angela Merkel, disse nesta quarta-feira (4) que a União Europeia (UE) fará todos os esforços para evitar uma guerra comercial com os Estados Unidos, destacando o compromisso do seu país de aumentar gradualmente os gastos com a defesa - outro ponto de discórdia com Washington.
A chanceler da Alemanha, Angela Merkel, disse nesta quarta-feira (4) que a União Europeia (UE) fará todos os esforços para evitar uma guerra comercial com os Estados Unidos, destacando o compromisso do seu país de aumentar gradualmente os gastos com a defesa - outro ponto de discórdia com Washington.
A administração do presidente americano, Donald Trump, impôs tarifas sobre as importações de aço e alumínio e estuda a possibilidade de aplicar tarifas sobre carros, caminhões e auto peças, algo que poderia ser doloroso para a Alemanha diante de sua grande indústria automobilística.
"Vale a pena todo esforço para tentar desarmar este conflito para que ele não se torne uma guerra de verdade, mas há dois lados nisso", disse Merkel ao Parlamento alemão, destacando que, em breve, o chefe da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, viajará aos EUA.
Merkel acrescentou que o bom funcionamento da economia mundial depende dos países trabalhando juntos como parceiros, e também questionou o valor da medição dos excedentes e déficits comerciais. Se os serviços digitais fossem incluídos, ela disse, bem provável que os EUA teriam um superávit comercial com a Europa. "É antiquado apenas contar bens e não contar serviços", disse a chanceler.
Os EUA também está pressionando a Alemanha sobre o que considera gastos insuficientes no setor de defesa, antes da cúpula da Otan em 11 e 12 de julho, em Bruxelas. Em 2014, os aliados da Otan concordaram em parar de cortar orçamentos de defesa e começar a gastar mais, uma vez que suas economias estão crescendo, seguindo em direção a gostos de 2% do Produto Interno Bruto (PIB). Os gastos atuais da Alemanha chegam a 1,24% do PIB.
Merkel disse que, embora os gastos estejam subindo, "em relação ao que os outros fazem em termos de seu produto interno bruto, está longe de ser suficiente". Ela acrescentou que "é por isso que nos comprometemos em gastar 1,5% do produto interno bruto até 2025", e defendeu a posição da Alemanha.
"A Alemanha é um parceiro confiável na Otan", disse Merkel. "Somos o segundo maior provedor de tropas, nós participamos de muitas missões, e a Alemanha continuará a ser um parceiro confiável na Otan", disse.