Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 03 de julho de 2018.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

varejo

Notícia da edição impressa de 03/07/2018. Alterada em 03/07 às 01h00min

Padarias faturam mais entre varejistas brasileiros durante o Mundial de futebol

Com um fuso que coloca a Rússia seis horas à frente do Brasil e empurra partidas da Copa para o período da manhã, as padarias têm se beneficiado mais dos jogos da seleção brasileira do que o restante do comércio. Ontem, na partida que se iniciou às 11h, o Brasil venceu o México por 2 a 0 e se classificou para as quartas de final.
No dia 22, quando o Brasil enfrentou a Costa Rica às 9h, a receita nominal de vendas por hora no varejo em geral registrou queda de 19,8%, de acordo com o Índice Cielo do Varejo Ampliado (ICVA), calculado pela adquirente brasileira. No setor de padarias, no entanto, houve alta de 7,1%.
O resultado da primeira fase dos jogos para o varejo brasileiro foi de queda de 25% na receita de vendas, em média, nos três jogos do Brasil, na comparação com dias comuns. Com o jogo às 9h, o segmento de alimentação em bares e restaurantes registrou impacto negativo de 13,2%, principalmente na hora do almoço.
Vestuário apresentou queda de 32,8%, indicando, segundo a Cielo, que o setor abriu praticamente somente após a partida. Quando o jogo acontece na parte da tarde, os bares conseguem se beneficiar também, principalmente porque o fim do expediente em diversas empresas é antecipado.
No dia 27, quando o Brasil jogou contra a Sérvia às 15h, as vendas no varejo mantiveram o patamar de queda: -24,5% em relação a uma quarta-feira comum. Os bares, no entanto, tiveram alta de 43,7%. As padarias mostraram um crescimento de 9,3%. A alta dos bares não foi suficiente para compensar a queda nos restaurantes, cujo faturamento foi baixo no período do almoço que antecedeu o jogo. Com isso, o desempenho de alimentação em bares e restaurantes recuou 16,9%. Os setores mais impactados negativamente no dia 27 foram vestuário (-49,6%); e móveis, eletros e lojas de departamento (-45,7%). Em ambos os casos, os dados apontam lojas com faturamento zero durante o período do jogo. Os supermercados sofreram impacto menor, com o faturamento caindo 4,4%. Antes do jogo, houve um pico de vendas, com os consumidores se abastecendo.
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia