Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 03 de julho de 2018.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Tecnologia

Notícia da edição impressa de 03/07/2018. Alterada em 03/07 às 01h00min

Empresas terão de buscar opção a anúncio

A nova política para proteção de dados pessoais europeia, conhecida pela sigla GDPR e que entrou em vigor em maio, deverá levar empresas da internet a oferecer opções pagas de seus serviços que garantam menos propaganda e uso de dados pessoais.
A opinião é de Tim Mahlman, presidente de plataformas de anúncios da Oath, empresa resultante da fusão entre as pioneiras da internet Aol e Yahoo!, ambas adquiridas pela companhia de telefonia norte-americana Verizon nos últimos anos. "Com as novas regras, que devem ter influência além da Europa, muitas companhias irão olhar para serviços baseados em assinatura como uma alternativa à dependência de anúncios", afirma.
O maior controle dos consumidores também forçará empresas a dar mais atenção à criatividade na hora de fazer propaganda na internet, para não desagradá-los com ações repetitivas e com pouco efeito, segundo Mahlman. "Em vez de tentar chegar ao consumidor seis vezes com o mesmo anúncio, por que não chegar a ele uma vez só com mais efetividade, oferecendo uma experiência duradoura e de qualidade?", sugere.
A GDPR obriga as empresas a serem explícitas em relação aos dados que captam, a usarem o mínimo de informações necessário e darem a opção de o consumidor deixar de fornecê-los quando quiser. Caso as regras sejam descumpridas, as empresas podem ser multadas em 4% de seu faturamento.
Mahlman diz que as novas regras geram poucas preocupações para a Oath, pois a companhia já opta por deixar claro aos consumidores como seus dados são usados, para quais motivos e como as informações podem ser gerenciadas em seus serviços. Desde a fusão das empresas, concretizada no primeiro semestre de 2017, o grupo tem um executivo responsável pelo gerenciamento de dados.
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia