Porto Alegre, sábado, 14 de março de 2020.
Dia Nacional da Poesia. Dia do Vendedor de Livros.

Jornal do Comércio

Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

CORRIGIR

mercado financeiro

02/07/2018 - 08h03min. Alterada em 02/07 às 08h03min

Bolsas asiáticas fecham com perdas robustas antes de possíveis tarifas

As bolsas asiáticas fecharam com perdas robustas nesta segunda-feira (2), primeiro dia útil do segundo semestre do ano, em meio a temores de que EUA e China cumpram recentes ameaças de tarifar bilhões de dólares em produtos um do outro no fim da semana.
As bolsas asiáticas fecharam com perdas robustas nesta segunda-feira (2), primeiro dia útil do segundo semestre do ano, em meio a temores de que EUA e China cumpram recentes ameaças de tarifar bilhões de dólares em produtos um do outro no fim da semana.
Principal índice acionário chinês, o Xangai Composto caiu 2,52% hoje, a 2.775,56 pontos, atingindo nova mínima em dois anos. Já o menos abrangente Shenzhen Composto, formado em boa parte por startups, recuou 1,58%, a 1.582,26 pontos.
Na sexta-feira (6), vence o prazo para que Washington aplique tarifas a US$ 34 bilhões em produtos chineses. No mesmo dia, Pequim promete retaliar e tarifar o mesmo valor em bens americanos.
Nas últimas semanas, incertezas sobre políticas comerciais, mais recentemente ligadas a investimentos externos em tecnologia dos EUA, e receios de que os movimentos retaliatórios se intensifiquem a ponto de prejudicar o crescimento da economia global têm pesado no sentimento dos investidores.
Além disso, os últimos dados de atividade industrial mostram que a expansão do setor manufatureiro da China perdeu força no mês passado. O chamado índice de gerentes de compras (PMI, na sigla em inglês) oficial da indústria chinesa caiu de 51,9 em maio para 51,5 em junho, enquanto medida similar da IHS Markit e da Caixin Media recuou de 51,1 para 51 no mesmo período.
Em outras partes da Ásia, o japonês Nikkei teve queda de 2,21% em Tóquio, encerrando o pregão a 21.811,93 pontos, menor patamar desde 13 de abril, enquanto o sul-coreano Kospi caiu 2,35% em Seul, a 2.271,54 pontos, e o Taiex cedeu 0,54% em Taiwan, a 10.777,94 pontos. Tanto o Nikkei quando o Kospi tiveram o pior desempenho em um único dia desde o fim de março. Em Hong Kong, não houve negócios nesta segunda devido a um feriado local.
Na Oceania, a bolsa australiana foi pressionada por ações de grandes bancos domésticos e de mineradoras. Como resultado, o índice S&P/ASX 200 caiu 0,27% em Sydney, a 6.117,80 pontos.