Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 25 de junho de 2018.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Turismo

Notícia da edição impressa de 25/06/2018. Alterada em 24/06 às 22h08min

Dólar em alta muda plano de viagem de férias para o exterior

Muitos brasileiros estão ajustando o roteiro ao seu orçamento atual

Muitos brasileiros estão ajustando o roteiro ao seu orçamento atual


/ROVENA ROSA/ABR/JC
Adriana Lampert
O preço do câmbio, com dólar próximo a R$ 4,00, tem interferido na escolha de consumidores de pacotes de turismo, que já começam a ajustar os planos de passeios para o exterior. Segundo agências de viagens, a procura não diminuiu, ainda que em maio a moeda norte-americana tenha chegado a R$ 3,73 e R$ 4,16 nas modalidades comercial e turismo, patamar atingido há pouco mais de dois anos, em meio à crise. Muitos dos que estão se programando para embarcar nos próximos meses têm reduzido o número de dias ou trocado a categoria do hotel e até mesmo o destino. "Tem quem prefira deixar de incluir algum tour, mas no final todos acabam comprando", afirma o diretor da Sepean Viagens, Bruno Dambros.
"Nossos pacotes de grupo para as férias julho já estão lotados", continua o gestor da Sepean. Segundo Dambros, no geral, esses produtos já foram vendidos há algumas semanas. A gerente de Vendas da CVC, Viviane Piovarcsik, afirma que, historicamente, com a oscilação do dólar, os brasileiros não deixam de tirar férias, mas adaptam a viagem ao orçamento, seja ajustando a duração ou optando por manter os planos no exterior (escolhendo hotéis all inclusive para reduzir custos com alimentação). Há ainda os que alteram o "destino dos sonhos" para o "que cabe no bolso" e, neste quesito, os roteiros nacionais vêm se fortalecendo.
"Quem tem viagem marcada e já comprou passagens e pagou hospedagem não vai desmarcar, mas a despesa final certamente ficará mais alta", avisa a diretora de Relações Institucionais da Associação Brasileira de Câmbio (Abracam), Kelly Massaro. Entre a mínima e a máxima do último mês, a diferença do dólar turismo é de quase R$ 0,30. "Em uma viagem de US$ 5 mil, estamos falando de R$ 1,5 mil de acréscimo", comenta.
Segundo Kelly, nesta reta final ainda vale a pena planejar bem esta questão para não chegar de viagem com uma surpresa desagradável em mãos. A dica básica é levar moeda em espécie - "exceto para destinos que possuam isenção de impostos para vendas nos cartões", pondera Dambros. A gestora da Abracam lembra que é sempre recomendável chegar a um país com algum dinheiro local em mãos para pagar as primeiras despesas (alguma refeição ou transporte para o hotel, por exemplo). "No que se refere à forma de pagamento no exterior, não dá para fugir do dinheiro em espécie, mesmo que seja para levar um pouco de uma moeda forte como o dólar ou o euro e trocar pela moeda local ao chegar", ainda que neste caso o turista pague dois câmbios.
Outra vantagem, segundo Kelly, é que a compra de moeda estrangeira paga IOF (Imposto sobre Operação Financeira) de 1,1%, comparado a 6,38% incidente sobre o cartão de crédito e do cartão pré-pago. "E no dinheiro em espécie não há surpresa: o que você pagou na compra é o seu gasto. Agora que o real se valorizou um pouco, vale a pena pensar se é hora de comprar." A gestora sugere, para quem não tem tanta pressa, realizar compras fracionadas. "É mais atraente, porque consegue ter taxa média interessante - ainda que o câmbio aumente um pouquinho. Se deixar para comprar tudo em um mesmo momento, o consumidor corre o risco de investir na compra na pior taxa e não terá mais recursos para esperar uma queda do valor da moeda."
Já o diretor da Sepean acredita que, no caso de pessoas com viagem marcada para os próximos meses, a compra fracionada pode não valer a pena. "Se já tem o dinheiro separado, o mais interessante é comprar de uma vez e com antecedência. Por US$ 1 mil não vejo vantagem em ir à casa de câmbio meia dúzia de vezes", opina.
A gestora da Abracam a avalia que o cartão internacional pré-pago é uma das opções mais vantajosas, principalmente pela questão da segurança. "Em caso de roubo ou perda, você recupera seu dinheiro. E se sobrar dinheiro no cartão, dá para guardar para a próxima", diz Kelly.

Custo do IOF do cartão de crédito deve ser calculado

Unanimidade entre os especialistas, a moeda em espécie sempre será o recurso mais econômico para quem viaja ao exterior, principalmente em períodos de alta do dólar. "Aconselho a evitar gastos no cartão de crédito (só levar para alguma urgência)", comenta a diretora da Personal Operadora, Jussara Leite. "O dólar mais barato é o em espécie, porque os cartões têm impostos, como o IOF (de 6,38%), e no caso do crédito ainda há grandes chances da cotação da moeda estar mais alta no período de cobrança da fatura. "Há momentos de muita volatilidade, é aí que está o problema", observa a diretora de Relações Institucionais da Associação Brasileira de Câmbio (Abracam), Kelly Massaro.

No entanto, apesar da cobrança de IOF, o cartão internacional pré-pago permite que o viajante faça um planejamento financeiro, além de oportunizar - assim como a moeda em espécie - que a comprar se realize nos momentos em que a cotação está melhor. "Para evitar surpresas, uma dica seria o passageiro incluir custos adicionais já no pacote, assim, além de poder parcelar, é menos uma despesa no local", opina o diretor da Sepean Viagens, Bruno Dambros. Jussara destaca que - ainda que o dólar não esteja assustando tanto - a procura por turismo de lazer vem "caindo em geral, não só no Brasil, mas também em outros países". "E quem está comprando tem diminuído no que pode as despesas", comenta. A gestora da Personal pondera que quando há alta na moeda norte-americana, em geral os hotéis do exterior baixam os preços das diárias para compensar.

A gerente de Vendas da CVC, Viviane Piovarcsik, comenta que diante da alta do dólar, o passageiro ficou mais suscetível às promoções e facilidades nas formas de pagamento. "Algumas estratégias que a companhia vem realizando para mitigar o impacto da alta do dólar são: câmbio reduzido (que variam conforme o destino e a cotação de mercado), parcelamento em até 12 vezes iguais, entrada para 60 dias no boleto bancário, promoções com segundo passageiro grátis ou com 50% de desconto, entre outros."

Apesar da oscilação do dólar, a CVC Corp divulgou recentemente os resultados referentes ao primeiro trimestre de 2018 que mostram crescimento de 12,7% nas vendas de viagens (de lazer, corporativas, de intercâmbio e reservas on-line) comparada com o mesmo período do ano anterior, considerando viagens nacionais e internacionais. "O que puxou esse crescimento foram as vendas de cruzeiros marítimos ( 40%, todas dolarizadas) e de viagens internacionais ( 25%), com destaque para os Circuitos Europeus (modalidade de viagem com acompanhamento de guia que fala português)", destaca Viviane.

COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia