Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 20 de junho de 2018.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

conjuntura

Notícia da edição impressa de 20/06/2018. Alterada em 20/06 às 01h00min

Copom se reúne hoje para definir taxa Selic

O Banco Central (BC) retoma, hoje, a reunião de Análise de Conjuntura do primeiro dia do encontro do Comitê de Política Monetária (Copom) para definir sobre a taxa básica de juros, atualmente em 6,50% ao ano.
O presidente do BC, Ilan Goldfajn, participou, ontem, da primeira reunião, que contou, ainda, com a presença dos diretores da instituição.
Pelas comunicações mais recentes da instituição, a tendência é de que a Selic (a taxa básica de juros) permaneça em 6,50% ao ano.
De um total de 49 instituições consultadas, todas esperam a manutenção da Selic, que está no menor patamar desde que a taxa foi criada, em 1996. Algumas instituições, porém, admitem que o cenário é mais incerto diante da valorização persistente do dólar ante o real.
As dúvidas em torno dos próximos passos do BC estão ligadas ao avanço do dólar ante o real. Em 2018, até ontem, o dólar à vista teve alta de 12,83%, com a cotação saltando de R$ 3,32 para R$ 3,74. Do encontro anterior do Copom, em 16 de maio, até agora, a moeda norte-americana subiu 1,78%.
O aumento do dólar é justificado em parte pelo cenário externo, no qual o processo de alta de juros nos Estados Unidos faz a moeda subir ante as demais divisas.
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia