Porto Alegre, sexta-feira, 03 de setembro de 2021.
Porto Alegre,
sexta-feira, 03 de setembro de 2021.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

AUDIOVISUAL

- Publicada em 17h11min, 03/09/2021.

Documentário retrata os 70 anos da modalidade tiro de laço

Produção registra e resgata a origem da prática tradicionalista gaúcha

Produção registra e resgata a origem da prática tradicionalista gaúcha


Saimon Fortuna/DIVULGAÇÃO/JC
O tiro de laço, que nasceu como brincadeira em 1951, é tema de documentário que estreia nesta sexta-feira (3), às 20h, em live na página oficial do Tiro de Laço Esmeralda/RS no Facebook. A atividade costumeira do povo campesino, que se converteu em modalidade esportiva, leva a representatividade do modo de vida tradicionalista gaúcho Brasil afora.
O tiro de laço, que nasceu como brincadeira em 1951, é tema de documentário que estreia nesta sexta-feira (3), às 20h, em live na página oficial do Tiro de Laço Esmeralda/RS no Facebook. A atividade costumeira do povo campesino, que se converteu em modalidade esportiva, leva a representatividade do modo de vida tradicionalista gaúcho Brasil afora.
A prática foi criada por Alfredo José dos Santos e seus amigos onde atualmente fica localizado o município de Esmeralda. Em 2002, a cidade foi reconhecida como berço do tiro de laço no 47º Congresso Tradicionalista Gaúcho do MTG, realizado em Caxias do Sul.
Com o intuito de explicar a origem da modalidade, Caroline Silveira Pacheco, patroa do CTG Pioneiros do Laço, buscou aporte para resgatar e registrar essa história, evidenciando a participação feminina no meio tradicionalista e dando origem ao documentário 70 anos do tiro de laço - Esmeralda/RS.
A produção mostra com entrevistas épicas e retornos locais profundos um trabalho incessante de pesquisa e mais de 20 horas de filmagens coletadas. Depoimentos como o do Sr. Virgílio Lemos, que integrou o primeiro quadro de laçadores em 1951, faz parte da narrativa construída na obra.
Comentários CORRIGIR TEXTO
Conteúdo Publicitário