Porto Alegre, quinta-feira, 22 de julho de 2021.
Porto Alegre,
quinta-feira, 22 de julho de 2021.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

música

- Publicada em 11h38min, 22/07/2021.

Eric Clapton anuncia que não fará shows em locais que exijam vacina contra Covid

Ano passado, músico já havia manifestado descontentamento contra isolamento social

Ano passado, músico já havia manifestado descontentamento contra isolamento social


GABRIELA DI BELLA/ARQUIVO/JC
O músico britânico Eric Clapton, de 76 anos, anunciou que não vai fazer shows em locais que exijam vacinação do público contra Covid-19. Segundo a revista Rolling Stone, Clapton teria falado ao cineasta Robin Monotti, por meio do aplicativo de mensagens Telegram, a sua recusa. "Após o anúncio do PM (primeiro ministro) na segunda-feira, 19 de julho de 2021, sinto-me na obrigação de fazer um anúncio pessoal: quero dizer que não me apresentarei em nenhum palco onde haja um público discriminado. A menos que haja providências para que todas as pessoas compareçam, eu me reservo o direito de cancelar o show", escreveu Clapton.
O músico britânico Eric Clapton, de 76 anos, anunciou que não vai fazer shows em locais que exijam vacinação do público contra Covid-19. Segundo a revista Rolling Stone, Clapton teria falado ao cineasta Robin Monotti, por meio do aplicativo de mensagens Telegram, a sua recusa. "Após o anúncio do PM (primeiro ministro) na segunda-feira, 19 de julho de 2021, sinto-me na obrigação de fazer um anúncio pessoal: quero dizer que não me apresentarei em nenhum palco onde haja um público discriminado. A menos que haja providências para que todas as pessoas compareçam, eu me reservo o direito de cancelar o show", escreveu Clapton.
O músico se manifestou depois da decisão do primeiro-ministro britânico Boris Johnson de que as casas noturnas inglesas, além de outros estabelecimentos que atraiam grande público, terão de exigir de seus clientes a prova da vacinação completa contra Covid-19 a partir do fim de setembro.
Não foi a primeira reação negativa de Clapton - em novembro, ele lançou a canção Stand and Deliver, ao lado de Van Morrison, que servia como protesto contra o isolamento social no combate do coronavírus. A dupla temia que a ausência de público provocasse reações negativas ao mercado musical.
Clapton recebeu a primeira dose da vacina Oxford/AstraZeneca em maio, o que lhe provocou reações negativas no corpo. "Tomei a primeira injeção da AZ e imediatamente tive reações graves durante dez dias", escreveu ele a um amigo. "Cerca de seis semanas depois, tomei a segunda dose da AZ, mas com um pouco mais de conhecimento das reações. Mesmo assim, as reações foram desastrosas, minhas mãos e pés estavam congelados, dormentes ou queimando e praticamente inúteis por duas semanas. Temi nunca mais tocar."
As reações de Clapton o isolaram no mundo da música, segundo ele mesmo reconheceu em entrevista a um canal do YouTube, no mês passado. "Tentei entrar em contato com colegas músicos, que não me respondem mais. Meu telefone já não toca mais com frequência. Não recebo mais mensagens e e-mails", afirmou.
Agência Estado
Comentários CORRIGIR TEXTO
Conteúdo Publicitário