Porto Alegre, segunda-feira, 03 de maio de 2021.
Dia Mundial da Liberdade de Imprensa.
Porto Alegre,
segunda-feira, 03 de maio de 2021.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

audiovisual

- Publicada em 15h44min, 03/05/2021. Atualizada em 20h20min, 03/05/2021.

'Tela quente' exibe primeiro episódio da série 'Onde está meu coração'

Letícia Colin vive médica viciada em drogas em nova produção original da Globoplay

Letícia Colin vive médica viciada em drogas em nova produção original da Globoplay


FÁBIO ROCHA/GLOBO/DIVULGAÇÃO/JC
A TV Globo exibe nesta segunda-feira (3), na Tela quente, o primeiro episódio da série Onde está meu coração, uma produção original Globoplay. Criada e escrita por George Moura e Sergio Goldenberg, com direção artística de Luísa Lima, a obra mostra os conflitos enfrentados por uma família em decorrência da dependência de drogas da filha primogênita.
A TV Globo exibe nesta segunda-feira (3), na Tela quente, o primeiro episódio da série Onde está meu coração, uma produção original Globoplay. Criada e escrita por George Moura e Sergio Goldenberg, com direção artística de Luísa Lima, a obra mostra os conflitos enfrentados por uma família em decorrência da dependência de drogas da filha primogênita.
Na trama, a jovem e bem-sucedida médica Amanda (Letícia Colin), de família de classe alta, se deixa levar pelo prazer das drogas e perde o controle da sua vida profissional e afetiva. Seus pais, a executiva Sofia (Mariana Lima) e o médico David (Fábio Assunção); seu marido, o arquiteto Miguel (Daniel de Oliveira), e sua irmã Julia (Manu Morelli) também se envolvem na situação que gera grande fragilidade familiar.
Os autores contam que a motivação da escolha do tema da série surgiu com a urgência da temática da dependência química, doença que afeta muitas famílias sem diferenciação de cor, religião ou classe social. "Onde está meu coração mostra uma questão inerente a qualquer pessoa nessa situação: ela não adoece sozinha; as pessoas à sua volta, familiares e amigos, adoecem junto. E isso é importante de ser retratado e discutido em uma obra de ficção", diz Moura. Goldenberg complementa dizendo que a trama mostra, principalmente, uma história de redenção.
Luísa Lima, que estreia como diretora artística, explica que trouxe para a série uma estética que obedece a lógica emocional, psicológica e sensorial: "A fotografia e os recursos de câmera evitam saltar além dos atores e dos dramas vividos. Sugerem, antes, um olhar íntimo e observador".
A série, que vai ao ar depois da exibição do BBB 21, chega na íntegra à plataforma da Globoplay nesta terça-feira (4).
Comentários CORRIGIR TEXTO
Conteúdo Publicitário