Porto Alegre, sexta-feira, 05 de fevereiro de 2021.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
sexta-feira, 05 de fevereiro de 2021.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

artes cênicas

- Publicada em 18h36min, 05/02/2021. Atualizada em 19h11min, 05/02/2021.

Festival de teatro online vai contemplar grupos do Estado com recursos da Aldir Blanc

Gabriel Botelho e Junior Sifuentes integram Grupo Borogodó, idealizador do evento gratuito

Gabriel Botelho e Junior Sifuentes integram Grupo Borogodó, idealizador do evento gratuito


Qex/divulgação/JC
Adriana Lampert
Contemplado com recursos da Lei Aldir Blanc, o 1º Festival de Teatro para Infância e Juventude (Festerê), está com inscrições abertas até o dia 22 de fevereiro. De autoria do Grupo Borogodó, de Porto Alegre, em parceria com a 5 Atos Produções, o evento conta com cerca de R$ 170 mil para a produção e realização e irá remunerar cerca de 40 profissionais da área (entre artistas, oficineiros, produtores, designers, figurinistas, cenógrafos, editores e músicos).
Contemplado com recursos da Lei Aldir Blanc, o 1º Festival de Teatro para Infância e Juventude (Festerê), está com inscrições abertas até o dia 22 de fevereiro. De autoria do Grupo Borogodó, de Porto Alegre, em parceria com a 5 Atos Produções, o evento conta com cerca de R$ 170 mil para a produção e realização e irá remunerar cerca de 40 profissionais da área (entre artistas, oficineiros, produtores, designers, figurinistas, cenógrafos, editores e músicos).
"Interessados podem inscrever mais de um espetáculo e mais de uma oficina para segmentos diferentes. Dentre os critérios de seleção, a qualidade artística e técnica serão priorizadas e a diversidade de elenco também será considerada (apesar de não ser um fator decisivo)", informa o coordenador artístico do Festival, Junior Sifuentes.
Ao todo, serão selecionados 18 projetos de espetáculos infantojuvenis e nove oficinas artísticas dos segmentos de teatro, música, dança, circo, literatura, artes visuais e brincadeiras populares. Com duração mínima de 40 minutos e máxima de 90 minutos, cada espetáculo será contemplado com R$ 2 mil. No caso das oficinas (cujo cachê por projeto é de R$ 1,2 mil) a duração do trabalho deve ser de 20 a 40 minutos. 
Segundo Sifuentes, artistas de todas as regiões do Rio Grande do Sul podem se inscrever para participar do evento através do site do grupo. "A ideia é gerar trabalho e renda para profissionais da Cultura, e, principalmente, descentralizar recursos", observa o coordenador artístico, destacando que em geral os grupos da Região Metropolitana e do Interior acabam ficando de fora dos festivais de arte que ocorrem na Capital. "Já temos muitos inscritos das regiões do Vale dos Sinos e Carbonífera, além de cidades de fronteira do Estado. Nosso objetivo é mostrar que tem qualidade nas produções fora de Porto Alegre e é possível que esta troca (intercâmbio que ocorre nos festivais) seja mais horizontal." 
Dirigido pelo artista Gabriel Botelho, o Festerê será transmitido pelo YouTube de forma online e gratuita entre os dias 20 de março a 10 de abril. Pelo menos dois trabalhos contarão com acessibilidade e inclusão, a exemplo de um intérprete em Libras e legendas. No encerramento do evento, o público também irá contar com a estreia do novo espetáculo do Grupo Borogodó, Viagem ao Centro da Terra, criação audiovisual inspirada na obra de Júlio Verne, com direção de Botelho. "Serão três dias de apresentação deste trabalho, e a ideia é transformar em espetáculo para o período pós-pandemia", informa Sifuentes.
O Grupo Borogodó também ministrará uma oficina teatral e será o responsável por mediar os bate-papos que ocorrerão após cada espetáculo. "Faremos as lives logo após as apresentações, para que o público  conheça quem são os artistas e grupos gaúchos que estão pensando e fazendo teatro para o segmento infantojuvenil", ressalta o coordenador artístico do Festival. "Os bate-papos também têm o objetivo de compartilhar os processos criativos dos trabalhos que irão compor a mostra oficial."
"Idealizar e concretizar a produção de um festival com certeza é a realização de um sonho, pois isso impacta direta e positivamente na vida de muitos outros artistas e técnicos da Cultura", comemora Botelho. "Também se torna uma ação potente de produção cultural na cidade de Porto Alegre, o que acaba por virar uma marca, uma parte da identidade dela." O diretor do Festerê opina que "é preciso que se defenda e fortaleça leis de resgate à Cultura", a exemplo da Aldir Blanc, destinada pelo governo federal de forma emergencial para o setor, para viabilizar o trabalho de artistas durante a pandemia de Covid-19. 
Somando atividades formativas na área do teatro e do circo para 120 alunos nos últimos dois anos, o Grupo Borogodó traz em sua trajetória a pesquisa e a produção interdisciplinar, escrevendo diversas encenações e espetáculos adultos e infantis consistentes. Atualmente, desenvolve atividades formativas virtuais devido à pandemia e está em fase de criação de dois espetáculos: além de Viagem ao Centro da Terra, a trupe ainda irá estrear A volta ao mundo em 80 dias, também inspirado na obra homônima de Júlio Verne.
Comentários CORRIGIR TEXTO