Porto Alegre, quinta-feira, 17 de dezembro de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
quinta-feira, 17 de dezembro de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Acontece

- Publicada em 17h13min, 17/12/2020.

Manter cenário cultural ativo durante pandemia foi grande desafio, diz Beatriz Araujo

Secretária de Cultura do RS esteve em coletiva on-line para balanço das atividades de 2020

Secretária de Cultura do RS esteve em coletiva on-line para balanço das atividades de 2020


SEDAC/DIVULGAÇÃO/JC
A secretária de Cultura do Rio Grande do Sul, Beatriz Araujo, apresentou nesta quinta-feira (17) um balanço das realizações da Secretaria de Estado da Cultura (Sedac) durante o ano de 2020, em uma coletiva on-line. Na avaliação da secretária, um dos principais desafios esteve não apenas na manutenção da agenda cultural em meio à pandemia, mas também na necessidade de oferecer auxílio social para os trabalhadores e trabalhadoras da cultura, setor fortemente atingido pelos impactos econômicos do novo coronavírus.
A secretária de Cultura do Rio Grande do Sul, Beatriz Araujo, apresentou nesta quinta-feira (17) um balanço das realizações da Secretaria de Estado da Cultura (Sedac) durante o ano de 2020, em uma coletiva on-line. Na avaliação da secretária, um dos principais desafios esteve não apenas na manutenção da agenda cultural em meio à pandemia, mas também na necessidade de oferecer auxílio social para os trabalhadores e trabalhadoras da cultura, setor fortemente atingido pelos impactos econômicos do novo coronavírus.
Um dos principais pontos de debate durante a coletiva esteve na aplicação da Lei Aldir Blanc, que movimentou mais de R$ 74 milhões em recursos, distribuídos entre renda emergencial e a realização de editais, prêmios e outros mecanismos de fomento. Outro ponto comemorado pelo governo estadual foi a reformulação do Pró-cultura, iniciada em fevereiro deste ano e que reverteu na realização do edital FAC Digital, em parceria com a Universidade Feevale, que financiou 1.940 projetos na área cultural durante o ano que passou.
Em paralelo, a pasta mencionou a realização de projetos on-line, como o Dia Estadual do Patrimônio Cultural, o I Festival Cinema Negro em Ação, Mistura Fina e Ospa Live. Essas atividades, segundo a Sedac, permitiram que o calendário cultural do Estado seguisse em movimento, mesmo com os equipamentos culturais fechados ao público.
Durante a coletiva, Beatriz Araujo lembrou a realização do projeto Ventos de Solidariedade na Travessa dos Cataventos, distribuindo cestas básicas para artistas, técnicos e produtores culturais. A ação se mostrou necessária, defende, na medida em que os efeitos da pandemia de Covid-19 criaram dificuldades financeiras imediatas e inesperadas para milhares de profissionais. "A secretaria não tem, inicialmente, essa vocação (para ofertar auxílio social). Foi preciso criar novas possibilidades de apoio aos nossos trabalhadores da cultura", acentuou.
Para o próximo ano, a perspectiva é de manter como um dos nortes da Sedac o fomento à Economia Criativa, de forma a "que não tenhamos de conviver com o abandono das pessoas por pensarem que aqui não é um bom lugar para se trabalhar com cultura", nas palavras da secretária. Segundo a titular da pasta, a segunda metade do governo de Eduardo Leite será voltada à consolidação de cenários construídos no período anterior, ampliando a participação de artistas e promovendo a aproximação com o Conselho Estadual de Cultura e a Famurs.
Também participaram da coletiva a secretária adjunta, Gabriella Meindrad; a assessora especial de Artes e Economia Criativa, Ana Fagundes; o assessor especial de Memória e Patrimônio, Eduardo Hahn; o diretor de Fomento, Rafael Balle; a diretora administrativa, Luana Ribas; o presidente da Fundação Teatro São Pedro, Antonio Hohlfeldt; e o diretor-artístico da Orquestra Sinfônica de Porto Alegre (Ospa), Evandro Matté.
Comentários CORRIGIR TEXTO