Porto Alegre, sexta-feira, 16 de outubro de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
sexta-feira, 16 de outubro de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

CENTROS CULTURAIS

- Publicada em 13h56min, 16/10/2020.

Exposição de esculturas marca reabertura da Casa da Memória Unimed Federação/RS

Obras abstratas de 'O desafio da pedra' têm assinatura do médico Lúcio Spier

Obras abstratas de 'O desafio da pedra' têm assinatura do médico Lúcio Spier


RAQUEL RECH/DIVULGAÇÃO/JC
Roberta Requia
A Casa da Memória Unimed Federação/RS está de volta. A partir de segunda-feira (19), o espaço voltado para a preservação da memória do cooperativismo médico e da produção artística será reaberto, mediante protocolos de segurança para visitação. Em comemoração ao Dia no Médico, neste domingo (18), será aberta virtualmente, com um vídeo lançado nas redes sociais da Unimed/RS, a exposição O desafio da pedra, do médico Lúcio Spier, que apresenta esculturas abstratas em diversos tipos de mármore. 
A Casa da Memória Unimed Federação/RS está de volta. A partir de segunda-feira (19), o espaço voltado para a preservação da memória do cooperativismo médico e da produção artística será reaberto, mediante protocolos de segurança para visitação. Em comemoração ao Dia no Médico, neste domingo (18), será aberta virtualmente, com um vídeo lançado nas redes sociais da Unimed/RS, a exposição O desafio da pedra, do médico Lúcio Spier, que apresenta esculturas abstratas em diversos tipos de mármore. 
O espaço, inaugurado em junho de 2019, estava fechado desde março em função das medidas de distanciamento causadas pela pandemia. Segundo Éverton Quevedo, coordenador da Casa, o tempo de afastamento do público foi bem aproveitado para organização de materiais e planejamento das próximas ações. "A Casa da Memória se propõe a ser um espaço de preservação da própria Unimed, então temos muito acervo: atas, fotografias, material que foi produzido ao longo desses quase 50 anos. Um dos nossos objetivos é esse, preservar essa memória institucional", comenta.
Ele também declara que o principal da Casa, por mais que o momento seja de distanciamento, é o relacionamento com a comunidade local: "Nós não estamos em uma zona característica de espaços culturais. Então o que acho interessante na casa é essa proximidade com o bairro, com o local e o entorno. O estimulante nesse processo de um ano é a proximidade com a comunidade, de ser mais um lugar de arte para a cidade." Segundo ele, nos planos futuros do local estão uma obra para a construção de um anexo, justamente para aumentar o espaço e poder apresentar mais exposições ao público. A obra está em processo de autorização pela prefeitura, já que a Casa é tombada como Patrimônio Artístico e Histórico do Município de Porto Alegre.
Em exibição no local, Lúcio Spier apresenta sua primeira exposição individual, com um numeroso acervo de peças polidas e moldadas, feitas a partir de pedaços brutos de diversos tipos de mármores, transformados em formas abstratas. O curador de O desafio da pedra, José Francisco Alves, destaca o acabamento das obras de Spier e a dedicação do escultor em seu trabalho: "Essa exposição apresenta a poética de um material que tem milhões e bilhões de anos, e que o artista pode tirar outro formato para transmitir uma sombra ou um detalhe da finalização. É o embate entre um material tão bruto e antigo, que o artista em tempo muito menor, comparado com a natureza, cria uma forma que seja bonita, agradável, e que passe esse tipo de sentimento de uma obra de arte". Alves conheceu Spier durante as oficinas de escultura em pedra ministradas por ele no Atelier Livre Xico Stockinger da prefeitura de Porto Alegre.
Junto das obras expostas, a Casa da Memória também produziu banners e fotos do artista trabalhando no atelier, mostrando parte do esculpimento de grandes blocos de pedra sendo transformados em obras de arte. Para José Francisco Alves, "isso propicia ver junto alguns processos de trabalho do escultor, como daquela coisa bruta se tira um trabalho tão bonito, com tantas formas curvas e acabamento. Mostra uma coisa um pouco educativa, didática, porque quem não conhece o processo não tem a dimensão do trabalho do artista".
Em seu segundo ano de existência, a Casa da Memória Unimed Federação/RS se consolida como um espaço de preservação da memória e incentivo a novos artistas do cenário das artes plásticas. Para Alves, que é doutor em História da Arte, o espaço viabilizado pela Unimed oferece uma oportunidade única para esses artistas, de expor suas obras sem custo e ainda ter o apoio da instituição: "A Casa dá todas as condições para os artistas e é um dos poucos espaços que propiciam isso para alguém que está começando. Hoje, se ele não tem o aporte, um patrocínio, não vai ter o espaço. A Unimed até compra uma obra da exposição. É muito bacana poder trabalhar com uma jurisdição que tem essa visão", completa o professor.
A Casa da Memória Unimed Federação/RS fica localizada em Porto Alegre, no bairro Farroupilha, na rua Santa Terezinha, 263. As visitações poderão ser feitas a partir de segunda-feira (19), mediante agendamento prévio através do telefone 3395-9599 ou pelo e-mail memoria@unimedrs.coop.br.
O horário de funcionamento será das 9h30min às 12h e das 13h30min às 17h, de segunda a sexta-feira. A exposição permanece no local até 27 de fevereiro de 2021.
Os visitantes que forem até o local, sendo permitido apenas dez por vez, deverão seguir as normas de segurança protocoladas por conta da Covid-19. Será obrigatório o uso de máscara e a aferição de temperatura na entrada. Também haverá dispositivos com álcool em gel para higienização das mãos.

Mais detalhes sobre a mostra individual do médico Lúcio Spier

São 17 esculturas produzidas em materiais como rochas vulcânicas e metamórficas
São 17 esculturas produzidas em materiais como rochas vulcânicas e metamórficas
RAQUEL RECH/DIVULGAÇÃO/JC
O desafio da pedra traz obras que o escultor Lúcio Spier (Porto Alegre, 1951) produziu nos últimos anos 15 anos, a partir de experiências no Atelier Livre Xico Stockinger, da prefeitura de Porto Alegre, e simpósios de escultura no Rio Grande do Sul, Brasil e exterior. Ele é formado em Medicina pela Faculdade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre (1986) e em Sociologia pela Ufrgs (1975).
A inspiração artística do escultor advém de sua mãe, Hertha Spier, recentemente falecida, aos 101 anos. Bailarina em sua juventude, na Polônia, Dona Hertha foi vítima do horror da perseguição nazista; radicada em Porto Alegre, ela frequentou o Atelier Livre e produziu pinturas. 
Para sua primeira exposição individual,  Spier apresenta 17 esculturas produzidas em materiais diversos e duráveis, como rochas vulcânicas e metamórficas, a exemplo do basalto e do mármore de várias cores e procedências. Com o trabalho árduo do artista, as rochas que o planeta produziu em bilhões de anos tomam forma e novos significados que somente a arte é capaz de propor, com a transformação da natureza geológica.
O quê: exposição O desafio da pedra, de Lúcio Spier
Onde: Casa da Memória Unimed Federação/RS
Endereço: Rua Santa Terezinha, 263 - bairro Farroupilha - Porto Alegre
Quando: de 18/10/20 a 27/2/2021
Funcionamento: segunda a sexta-feira, das 9h30min às 12h e das 13h30min às 17h
Visitação: somente com agendamento, pelo telefone (51) 3395-9599 ou pelo e-mail memoria@unimedrs.coop.br
Comentários CORRIGIR TEXTO