Porto Alegre, quinta-feira, 24 de setembro de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
quinta-feira, 24 de setembro de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

cinema

- Publicada em 09h00min, 24/09/2020.

Comunidade internacional pede liberdade de diretor sudanês Hajooj Kuka

Realizador é diretor do filme 'aKasha', em cartaz na programação da mostra Cine África

Realizador é diretor do filme 'aKasha', em cartaz na programação da mostra Cine África


CINE ÁFRICA/DIVULGAÇÃO/JC
A comunidade internacional de cinema se mobilizou para pedir a soltura do cineasta sudanês Hajooj Kuka e mais quatro artistas presos durante o ensaio de um espetáculo de teatro no dia 17 de setembro em Cartum, capital do Sudão. Os cinco civis foram condenados a dois meses de prisão e mais uma multa de US$ 90 por acusação de "poluição sonora” quando ensaiavam no espaço Civic Lab, onde artistas e ativistas costumam se reunir para produzir arte.
A comunidade internacional de cinema se mobilizou para pedir a soltura do cineasta sudanês Hajooj Kuka e mais quatro artistas presos durante o ensaio de um espetáculo de teatro no dia 17 de setembro em Cartum, capital do Sudão. Os cinco civis foram condenados a dois meses de prisão e mais uma multa de US$ 90 por acusação de "poluição sonora” quando ensaiavam no espaço Civic Lab, onde artistas e ativistas costumam se reunir para produzir arte.
Representantes dos festivais de Berlim, Roterdã e Toronto já declararam apoio ao diretor dos longas aKasha (2018) e Beats of the Antonov (2014). Premiado nos festivais de Durban e Toronto, Hajooj Kuka traz um olhar sensível e crítico sobre o conflito civil do Sudão.
Neste ano, kuka tornou-se membro da Academia de Hollywood. Seu trabalho mais recente, o inédito aKasha, estará disponível entre esta quinta-feira (24) e 30 de setembro na programação do Cine África. O evento brasileiro também se manifestou a favor do cineasta em suas redes sociais.
Comentários CORRIGIR TEXTO