Porto Alegre, quarta-feira, 23 de setembro de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
quarta-feira, 23 de setembro de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

televisão

- Publicada em 14h00min, 06/09/2020. Atualizada em 15h35min, 07/09/2020.

'Roda Viva' aborda passado colonial do Brasil na próxima segunda-feira

Programa com a historiadora Lilia Schwarcz como convidada vai ao ar às 22h na TV Cultura

Programa com a historiadora Lilia Schwarcz como convidada vai ao ar às 22h na TV Cultura


TV CULTURA/DIVULGAÇÃO/JC
A historiadora e antropóloga Lilia Schwarcz é a entrevistada do programa Roda Viva desta segunda-feira (7). Autora de obras que reconstituem o passado colonial do Brasil, atualmente é professora titular do Departamento de Antropologia da USP. O programa vai ao ar às 22h na TV Cultura, site da emissora, Twitter, Facebook, YouTube e LinkedIn.
A historiadora e antropóloga Lilia Schwarcz é a entrevistada do programa Roda Viva desta segunda-feira (7). Autora de obras que reconstituem o passado colonial do Brasil, atualmente é professora titular do Departamento de Antropologia da USP. O programa vai ao ar às 22h na TV Cultura, site da emissora, Twitter, Facebook, YouTube e LinkedIn.
Com apresentação de Vera Magalhães, participam da banca de entrevistadores Yasmin Santos, jornalista da revista Piauí; Pedro Doria, editor do Canal Meio; Fábio Cardoso, escritor e jornalista do podcast Rio Bravo; Paula Carvalho, historiadora e editora-assistente da revista Quatro Cinco Um, e Adriana Ferreira Silva, editora-executiva da revista Marie Claire.
Lilia Schwarcz sempre alertou para os males que afetam a sociedade brasileira, principalmente o racismo e as desigualdades sociais. Em seu livro mais recente, Sobre o autoritarismo brasileiro, ela examina as raízes dessa tendência, que sempre predominou no País, aliada à triste herança do passado colonial e da escravidão. O que explica o fato de o Brasil permanecer como uma nação excludente e distante de uma sociedade justa e igualitária.
Comentários CORRIGIR TEXTO