Porto Alegre, sábado, 18 de julho de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
sábado, 18 de julho de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

RELIGIÃO

- Publicada em 15h21min, 03/07/2020. Alterada em 15h21min, 03/07/2020.

Minidocumentário marca os 40 anos da visita do Papa João Paulo II a Porto Alegre

Papa João Paulo II, canonizado santo em 2014, esteve em Porto Alegre em julho de 1980

Papa João Paulo II, canonizado santo em 2014, esteve em Porto Alegre em julho de 1980


ALBERTO PIZZOLI/AFP/JC
Neste sábado (4), comemoram-se os 40 anos da passagem do Papa João Paulo II por Porto Alegre. Para marcar a data, será lançado um minidocumentário nos canais digitais da Arquidiocese da capital gaúcha, a partir das 17h35min, horário em que o pontífice desembarcou na cidade, em 1980. Primeiro Papa a pisar em solo brasileiro e único a visitar o Rio Grande do Sul, João Paulo II foi canonizado santo em 2014.
Neste sábado (4), comemoram-se os 40 anos da passagem do Papa João Paulo II por Porto Alegre. Para marcar a data, será lançado um minidocumentário nos canais digitais da Arquidiocese da capital gaúcha, a partir das 17h35min, horário em que o pontífice desembarcou na cidade, em 1980. Primeiro Papa a pisar em solo brasileiro e único a visitar o Rio Grande do Sul, João Paulo II foi canonizado santo em 2014.
Além do documentário, fotos, depoimentos e informações e estarão presentes no material especial, disponível no site da Arquidiocese (arquipoa.com) e nas páginas do Facebook (fb.com/arquipoa) e do YouTube (youtube.com/arquipoa). As imagens foram cedidas pelo CEDOC RBS TV e as fotografias pelo arquivo da igreja.
Na época, João Paulo II foi recebido no Aeroporto Salgado Filho por autoridades políticas e eclesiásticas, que o acompanharam até a Praça da Matriz, no Centro Histórico, onde fez seu primeiro pronunciamento, em um palanque em frente à Catedral Metropolitana, para um público de aproximadamente 50 mil pessoas.
Conhecido e admirado por seu carisma e humildade, o Papa é destacado no minidocumentário como o “homem do povo”, e que deixou sua marca na rápida passagem pela Capital, que durou 22 horas. Na ocasião, o frio do inverno gaúcho não foi problema para os fiéis e nem para o pontífice, que pronunciou a célebre frase: “Me diziam ontem que o clima aqui em Porto Alegre é muito frio. Eu sinto o contrário, um grande calor”, seguida pelo famoso questionamento do pontífice: “O Papa é gaúcho?”.
Naquela noite, antes de recolher-se ao seu aposento na Cúria Metropolitana, o mais simples de toda sua estadia no Brasil, o Papa participou de dois encontros fechados, um com autoridades políticas, onde recebeu o título de cidadão porto-alegrense, e outro um encontro ecumênico, reunindo dirigentes de igrejas cristãs e representantes da comunidade judaica. Mesmo cansado, após dias de longas viagens que atravessaram o País, após o jantar, ainda sobrou tempo para fazer orações na capela da Cúria e preparar-se para o dia seguinte, que foi o mais esperado pelo povo gaúcho.
Às 9h do dia 5 de julho de 1980, o Papa chegou à missa campal, onde cerca de 300 mil pessoas o receberam para uma uma linda celebração, marcada por emoção e alegria. No final daquela manhã, o povo acompanhou a passagem do Papa na rótula da avenida José de Alencar (desde então conhecida como "rótula do Papa") até o Gigantinho. Do papa móvel, João Paulo II acenou incansável para os milhares de fiéis e espectadores que aguardavam sua passagem pelas ruas.
No Gigantinho, foi recebido com uma saudação especial e sob a presença de 200 cavaleiros e sete grupos de danças tradicionalistas. Os gaúchos nunca se esquecerão do
momento em que o pontífice, com seu carisma e humildade, aceitou o chimarrão e o chapéu oferecido por Paixão Côrtes e Pedro Borghetti. O encontro no Gigantinho, com 10
mil religiosos, foi, segundo as próprias palavras do Papa, um dos mais importantes de sua visita ao Brasil, pois teve como objetivo despertar vocações e falar diretamente a seus formadores.
Ao final do encontro, 18 mulheres argentinas conseguiram encontrar-se por alguns minutos com o Papa, eram representantes do movimento “Las Madres de la Plaza de Mayo”, grupo formado por mães que perderam seus filhos para a ditadura militar do país vizinho.
Às 15h, João Paulo II partiu da Cúria para o aeroporto, em trajeto feito de ônibus, junto com sua comitiva. No aeroporto, centenas de pessoas o aguardavam para
despedir-se. O carisma do Papa se refletiu em pequenos gestos durante toda sua estada em Porto Alegre, o que fez o pontífice sair do protocolo em diversos momentos, mostrando porque ficou conhecido como "homem do povo".
O pontificado de São João Paulo II durou 26 anos, de outubro de 1978 a abril de 2005, ano de ua morte. Em 27 de abril de 2014 ocorreu sua canonização. Já a sua festa litúrgica como santo é comemorada em 22 de outubro.
Comentários CORRIGIR TEXTO