Porto Alegre, quarta-feira, 10 de junho de 2020.
Dia da Língua Portuguesa.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
quarta-feira, 10 de junho de 2020.
Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

CORRIGIR

artes visuais

Alterada em 10/06 às 20h18min

Bienal 12 transmite debate e homenageia cinco personalidades mulheres

Andrea Giunta, Gloria Crystal, Maureen Gallagher, Maria Berenice Dias e Patricia de Campos Mello são destacadas pela Bienal 12

Andrea Giunta, Gloria Crystal, Maureen Gallagher, Maria Berenice Dias e Patricia de Campos Mello são destacadas pela Bienal 12


BIENAL 12/DIVULGAÇÃO/JC
Quinta-feira é o dia das conversas on-line da Bienal 12. Nesta semana, a convidada é a educadora e pesquisadora carioca Mara Pereira, para debater sobre mediação e os programas educativos antes, durante e num possível tempo após a pandemia de Covid-19.
Quinta-feira é o dia das conversas on-line da Bienal 12. Nesta semana, a convidada é a educadora e pesquisadora carioca Mara Pereira, para debater sobre mediação e os programas educativos antes, durante e num possível tempo após a pandemia de Covid-19.
A terceira transmissão do Programa de Lives Bienal 12 ocorre nesta quinta-feira (11), às 19h, com condução do curador Igor Simões e da coordenadora do Programa Educativo, Renata Sampaio. O bate-papo ao vivo pode ser acompanhado pelo Facebook, Instagram e YouTube da Bienal do Mercosul. Haverá espaço para perguntas do público, que podem ser enviadas com antecedência pelos canais digitais da Bienal ou durante a live.
Já a sexta-feira (12) será dia de homenagens por parte do evento. Andrea Giunta, Gloria Crystal, Maureen Gallagher, Maria Berenice Dias e Patricia de Campos Mello receberão placas de reconhecimento da Bienal 12 concede por atuação em questões relativas ao(s) feminino(s). 
A iniciativa celebra o tema desta edição da Bienal do Mercosul - Feminino(s): visualidades, ações e afetos. As cinco personalidades destacadas trabalham com questões relacionadas às mulheres em diferentes áreas profissionais. Escritora, curadora e professora da Universidade de Buenos Aires, Andrea Giunta é curadora da Bienal 12. Gloria Crystal (militante da causa da comunidade LGBT) e Maria Berenice Dias (desembargadora aposentada do Tribunal de Justiça do RS e advogada especializada em Direito das Famílias, Sucessões e Direito Homoafetivo) são diretoras da Fundação Bienal do Mercosul. Maureen L. Gallagher é líder humanitária; e Patrícia de Campos Mello tem carreira como jornalista e escritora.
A homenagem será oficializada pelo presidente da Fundação Bienal do Mercosul, Gilberto Schwartsmann, e pelo presidente do conselho de administração da instituição, Renato Rizzo. Schwartsmann destaca a distinção pública como uma iniciativa simbólica da Fundação Bienal do Mercosul, que preza pela diversidade ao pensar o universo feminino, e explica a escolha das premiadas: “Estas cinco mulheres tiveram contribuições relevantes relacionadas ao tema da 12ª edição da Bienal, que se propõe a pensar o feminino em sua pluralidade. A Patrícia de Campos Mello é uma jornalista muito combativa, premiada nacional e internacionalmente, que representa muito da coragem que marca o universo feminino. A norte-americana Maureen Gallagher é pesquisadora e diretora da UNICEF no Afeganistão, e tem trabalhado pelo empoderamento da mulher e em prol da nutrição de crianças em locais onde há crises e catástrofes. A Maria Berenice Dias lidera vários projetos nacionais que envolvem questões de gênero e os direitos da mulher. A Andrea Giunta, além de ser uma brilhante curadora, tem uma trajetória louvável no feminismo, sempre defendendo os espaços para a mulher na arte. A Glória Crystal, mulher transsexual, é uma ativista com mais de duas décadas de atuação na defesa de direitos da população LGBT”, afirma.
Segundo o presidente da Fundação Bienal do Mercosul, a homenagem é uma tradição que teve início na Bienal 11 e deve ter continuidade nas próximas edições do projeto. 
Comentários