Porto Alegre, terça-feira, 21 de julho de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
terça-feira, 21 de julho de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Patrimônio

- Publicada em 03h34min, 19/03/2020. Atualizada em 03h00min, 19/03/2020.

Projeto resgata memórias de São Francisco de Paula

Primeira atividade foi realizada no antigo Cinema Serrano, no Hotel do Campo

Primeira atividade foi realizada no antigo Cinema Serrano, no Hotel do Campo


JOSIELE SILVA/DIVULGAÇÃO/JC
Um projeto de educação patrimonial, financiado pelo Fundo de Apoio à Cultura (FAC) e com a participação de técnicos da área de História do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico do Estado (Iphae), revela memórias do município de São Francisco de Paula. Com um público de 80 pessoas, a primeira atividade da iniciativa foi realizada no fim de semana passado, no antigo Cinema Serrano, localizado no Hotel do Campo, em Cazuza Ferreira, distrito da cidade dos Campos de Cima da Serra.
Um projeto de educação patrimonial, financiado pelo Fundo de Apoio à Cultura (FAC) e com a participação de técnicos da área de História do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico do Estado (Iphae), revela memórias do município de São Francisco de Paula. Com um público de 80 pessoas, a primeira atividade da iniciativa foi realizada no fim de semana passado, no antigo Cinema Serrano, localizado no Hotel do Campo, em Cazuza Ferreira, distrito da cidade dos Campos de Cima da Serra.
Na ocasião, uma roda de conversa apresentou aspectos históricos da sala emadeirada, local onde eram projetados filmes nos anos 1950. O projeto é realizado pelo Departamento de Cultura da prefeitura. São Francisco de Paula é o primeiro município a executar uma ação com recursos do governo do Estado, por meio de edital da Secretaria da Cultura (Sedac) lançado no ano passado, o FAC Educação Patrimonial. 
A conversa, mediada pela professora de História Cláudia Duarte, trouxe à tona as lembranças de Iró Beatriz Basso Gomes, filha mais velha de Antônio Machado Basso (dono do hotel e cinema). Ela falou sobre o brilho nos olhos de seu pai durante as sessões e o longo percurso dos filmes até chegarem ao Cinema Serrano. Elmo Rossi, amigo próximo de Antônio Machado Basso, também participou da roda, salientando o papel do hotel/cinema na vida social do distrito.
O autor do livro Cazuza Ferreira tem história para contar, Batista Bossle, levou para a conversa parte da história do distrito, contando causos que envolviam o cinema e os filmes de faroeste, ao mesmo tempo em que destacou o acesso democrático ao cinema pela população. A quarta integrante da roda de memórias, Grasiela Picoloto de Barros, autora do trabalho As metamorfoses do Hotel Avenida, recordou suas vivências em Cazuza e relatou o processo de pesquisa de sua obra.
A programação de Memórias de São Francisco de Paula continuará em importantes lugares da região: no Hotel Cavalinho Branco, defronte ao lago São Bernardo (18 de abril), e na Escola Estadual José de Alencar (30 de maio), que completou 100 anos em 2019. O projeto inclui, ainda, minidocumentários e livro sobre esses três importantes bens culturais do município. A iniciativa visa à democratização do conhecimento sobre os bens materiais e imateriais, e estimular a participação de todos nas ações de proteção e conservação do patrimônio.
Comentários CORRIGIR TEXTO